sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

NÃO HAVIA LUGAR PARA ELES NAS HOSPEDARIAS!



















Não Havia Lugar para Eles nas Hospedarias

Quem é pai sabe muito bem a angústia que deve ter se passado no coração do patriarca São José, quando procurou um lugar para que sua divina esposa pudesse dar à luz o tão esperado Filho de Deus, o Messias prometido. Não havia lugar para eles nas hospedarias, nem nas estalagens; todas estavam inapelavelmente lotadas, com as portas cerradas, num repetitivo e impiedoso "não" de porta a porta.

O que fazer? Deve ter pensado aquele que a própria Palavra proclamou como "homem justo". Que angústia! Que desespero! Não poderia o Filho nascer no meio da rua. A um certo instante, pela mão da Providência, alguém sugere o estábulo, local onde ficam os animais; lugar rústico, mas que se fez acolhedor diante daquela realidade indiferente e egoísta.

E foi justamente ali, no meio dos animais - aqueles mesmos ditos irracionais e inferiores - que o Filho de Deus encontrou as portas abertas; e ali nasceu, na mais esplêndida noite que a espécie humana já testemunhou; não na glória que costumava dourar os berços da nobreza, mas na humildade que notabiliza as almas agradáveis a Deus.

Os céus vibravam. Anjos cantavam: "- Glória a Deus no mais alto dos Céus, e paz na Terra aos homens de boa vontade!" Pastores em correria desatinada buscavam a manjedoura daquele que vinha - e, de fato, veio - para resgatar a estirpe humana do mais avassalador de todos os grilhões, o pecado. Reis do oriente, os astrólogos, se prostravam diante do Deus humanado, e O adoravam, ao passo em que o presenteavam com as riquezas da época: ouro, incenso e mirra.

Todos sabem esta história. Todos nós sabemos o real significado do NATAL.

Mas por que não entendemos a real causa pela qual aqueles instantes que antecederam o nascimento do Divino Mestre se projetam no tempo até os dias de hoje?

Nossos corações são, na verdade, como aquelas hospedarias.

 Estamos ocupados e lotados de tantas coisas que, quando o Menino bate à porta, simplesmente arranjamos uma desculpa qualquer e O mandamos embora. Não temos tempo; estamos ocupados; temos isso, isso, e aquilo para fazer.

O orgulho e as conquistas transitórias do mundo nos são mais atrativas, e sugam todas as nossas energias.

Servimos ao mundo com grande ânsia, em troca de sua breve glória, porém não temos tempo para Deus, não temos tempo para ornar nosso coração como uma manjedoura para acolher o Deus Menino, prêmio máximo da alma bem-aventurada.

A Palavra de Deus se projeta no tempo.

Do mesmo modo que Jesus foi rejeitado por muitos na época de seu nascimento, também o é no presente, pois estamos sempre com pressa, sempre ocupados, sempre preocupados, sempre agitados e inadvertidamente distraídos.

E Ele vem, quer nascer de novo, nos nossos corações...

É por isso que os pobres têm mais facilidade para crer, e para depositar em Deus as suas alegrias, esperanças e tristezas. "- Deus é tudo para nós!" Dizem eles, com o coração cheio de esperança.

Eles são como a gruta de Belém, como a manjedoura. Eles acolhem Deus com alegria; escolhem da vida o que ela tem de melhor, a eternidade; e o que eles escolheram não lhes será tirado. E olhem que não estou falando de pobre no sentido material, pois um rico que rejeita a Deus é o mais indigente dos seres humanos.

Por isso, convido a todos os participantes do grupo de oração, e também todos os que eventualmente vierem a visitar o nosso Blog, a ornar e preparar o coração com ternura e simplicidade, virtudes que, aliás, devem ornar a nossa vida.

Mande o orgulho embora! Livre-se da soberba! Acolha o Cristo Menino, pois - como se sabe - na vida tudo passa, somente Deus é para sempre...

Seja tão simples e acolhedor como a Gruta de Belém, para que o Cristo, quando vier, venha junto com o Pai, e em você façam morada.

Assim, sua alegria estará em Deus, e será completa.


Tenham todos um abençoado Natal e um ano novo cheio de saúde, paz e presença de Deus.

Fraterno abraço.


domingo, 17 de novembro de 2013

Exorcismo e Oração de Libertação [Padre Duarte Lara - Canção Nova]

Exorcismo e Oração de Libertação 
Padre Duarte Lara
Foto: Fotos CN / Wesley Almeida
Vou contar a vocês uma coisa que meus pais fizeram e que mudou toda a minha vida. E aproveito também para deixar isso como um conselho aos pais. Sou o primeiro de cinco filhos que meus pais tiveram. Quando tinha um mês de vida, meus pais me entregaram como um presente a Nossa Senhora, diante de sua imagem. Você viu no que deu: hoje sou sacerdote. Glória a Deus por isso! Meus irmãos, o céu nos leva muito a sério!

O tema desta pregação é: “Exorcismo e Oração de Libertação”. Meus irmãos, o demônio treme diante da Palavra de Deus! O padre exorcista Gabriele Amorth, durante seu ministério, sempre rezava com este trecho do Evangelho de São Marcos 16,15-20 em latim. Acompanhe comigo:

“Então Jesus disse-lhes: 'Vão pelo mundo inteiro e anunciem a Boa Notícia para toda a humanidade. Quem acreditar e for batizado, será salvo. Quem não acreditar, será condenado. Os sinais que acompanharão aqueles que acreditarem são estes: expulsarão demônios em meu nome, falarão novas línguas; se pegarem cobras ou beberem algum veneno, não sofrerão nenhum mal; quando colocarem as mãos sobre os doentes, estes ficarão curados.' Depois de falar com os discípulos, o Senhor Jesus foi levado ao céu, e sentou-se à direita de Deus. Os discípulos então saíram e pregaram por toda parte. O Senhor os ajudava e, por meio dos sinais que os acompanhavam, provava que o ensinamento deles era verdadeiro”.
Estes sinais, meus irmãos, não acompanham apenas os padres. Eles são para todos nós. Estes sinais acompanham todos aqueles que creem. É tão bonito ver que a Palavra de Deus não é apenas anunciada com belas palavras, mas também por meio de sinais, milagres e prodígios. Estes sinais são necessários. Todos nós ansiamos por ver o poder de Deus. Jesus é o “Deus salva”. Queremos experimentar em nossas vidas o poder salvífico do Senhor.

Jesus chamou doze apóstolos para estarem com Ele. Nossa vida de fé está fundamentada nisso, ou seja, na relação com Deus. Somos todos chamados ao discipulado. Depois, Jesus deu autoridade aos Seus discípulos. E eles puderam realizar estes sinais no nome do Senhor.

Quando o Senhor Jesus manifesta Seus sinais no meio do povo, os corações se abrem para a escuta da Palavra. Eu mesmo, que lhes falo nesta manhã, sou testemunha disso. Lembro-me de, quando ainda era um jovem sacerdote, Deus me usou para que aquelas pessoas fossem tocadas por Sua graça. Depois da bênção que dei em nome de Jesus, ao final daquela novena, sete pessoas foram curadas. No dia seguinte, quanta gente apareceu naquela novena! Pessoas vindas de tantos lugares distantes para serem curadas. E o que eu fazia? Anunciava a Palavra de Deus a elas, pois os corações se encontravam abertos e sedentos para acolher a Boa Nova.

Gente curada de câncer, casais que não conseguiam ter filhos... Quanta gente agraciada após receber a bênção de Jesus! Deus só precisa de instrumentos que estejam disponíveis para que Ele possa usar como um eficaz veículo da Sua graça.

Mas, diante disso, surge o seguinte questionamento: “Por que nem todos são imediatamente curados?” Nossa Senhora, em Fátima, deu um importante ensinamento aos Três Pastorinhos, que traziam os pedidos do povo até a Virgem Santíssima. Ela dizia: “Alguns serão curados ainda neste ano, mas nem todos, pois alguns precisam primeiro se arrepender dos seus pecados”.

"Se você estiver na graça de Deus, estará mais do que protegido contra o mal", afirma o padre Duarte Lara
Foto: Fotos CN / Wesley Almeida


O que a Mãe do Céu está nos ensinando com isso? Que é preciso cuidar primeiro da saúde da alma! Muitos buscam a cura do corpo, mas não cuidam do próprio interior. Ainda não se arrependeram, não procuraram o sacramento da reconciliação e penitência e não deram passos concretos de conversão.

Muitos são aqueles que se revoltam contra Deus porque ainda não tiveram suas súplicas ouvidas. Não, meus irmãos! Deus é Pai e sabe o que é melhor para nós. Existem graças que não receberemos se não as pedirmos ao Senhor. Mas também existem situações nas quais podemos oferecer nossos sofrimentos suportados pela conversão dos pecadores. Esta é, sem dúvida alguma, uma das formas mais poderosas de intercessão: oferecer o próprio sofrimento, a tribulação vivida, pela conversão das almas.

Portanto, não se revolte! Não deixe de louvar a Deus. Louve mesmo em meio às chamas e à provação que você hoje enfrenta.

O que é o exorcismo? Ele vem dos tempos antigos. Vemos nas Sagradas Escrituras que todos os batizados, nos primeiros tempos, eram exorcistas. Com o passar do tempo, a Igreja foi controlando esse ministério de exorcismo. E por quê? Porque o demônio é muito inteligente e esperto! Então, é preciso muita atenção e cuidado na realização desse ministério, para que se evitem abusos e exposições desnecessárias.

A Igreja nos ensina que o exorcismo é uma celebração litúrgica, na qual pedimos a libertação de alguém da ação do demônio. Existe também o chamado “grande exorcismo”, que só pode ser realizado por um padre exorcista com a autorização do bispo diocesano.

E no que consiste a oração de libertação? Ela é uma oração na qual você pede para ser liberto dos ataques do demônio. “Eu posso fazer essa oração, padre?”, você pode me perguntar agora. “Sim, sem dúvida!”, eu lhe respondo. Inclusive na oração do Pai-Nosso, Jesus nos ensina a pedirmos ao Pai: “Livrai-nos do mal”. Existem muitas orações de libertação. Devemos rezá-las pedindo a Deus que nos livre das ações do maligno.

O cuidado que devemos tomar é o de não ficar conversando com o demônio. Somente o exorcista deve fazê-lo. O inimigo sempre começa dizendo uma “verdade” a nosso respeito. É preciso tomar muito cuidado com isso, pois ele é o sedutor por excelência e acaba nos envolvendo em suas armadilhas e mentiras. Nos Evangelhos, Jesus sempre ordenava aos demônios que se calassem. O diabo não pode ser o nosso “catequista”! Ele é mentiroso e acaba nos ludibriando como fez com os nossos primeiros pais, Adão e Eva. Conversemos com o Senhor! E peçamos sempre a Ele que nos livre do mal.

E quando não existe um padre exorcista onde você vive? O que fazer? Resposta: Santa Missa, sacramento da confissão, santo terço diário... É assim que vamos reagindo diante da ação do mal na nossa vida.

Se você está no pecado, meu irmão, o demônio consegue facilmente interferir na sua vida. Saia do pecado já! Se você estiver na graça de Deus, estará mais do que protegido contra o mal. Creia nisso!

Transcrição e adaptação: Alexandre Oliveira (@alexandrecn)

sábado, 16 de novembro de 2013

A ação do demônio - Por Padre Duarte Lara [Canção Nova - Acampamento de Cura e Libertação]

A ação do demônio 
Padre Duarte Lara
Foto: Fotos CN / Wesley Almeida
Não tem graça maior do que esta: receber Jesus na Eucaristia! Que graça é poder participar da Santa Missa todos os dias! Outra graça é poder buscar o sacramento da reconciliação. Precisamos, com frequência, confessar os nossos pecados. É uma necessidade para nossa alma, da mesma forma que é uma necessidade para o nosso corpo um banho regenerador e purificador. Nossa Senhora pede que nos confessemos, ao menos, uma vez a cada mês! Não deixe de buscar este sacramento de cura e libertação que a Igreja nos oferece.

Na Primeira Carta de São João está escrito que Jesus veio "para destruir as obras do diabo" (I João 3,8b).
Vejo dois erros graves dentro desta dimensão do combate espiritual que enfrentamos todos os dias. O primeiro erro é o daqueles que dizem: “Padre, eu acredito em Deus, mas não acredito na existência do demônio”. Ora, meus irmãos, quantas vezes a Palavra de Deus nos testemunha a respeito da ação dos anjos e dos demônios! São muitos os que acreditam mais na ciência do que na Palavra de Deus. E aquilo que a ciência não consegue explicar, ela simplesmente nega.

Muitos, até mesmo dentro da Igreja, não acreditam na existência dos anjos. Veja o que nos ensina o Catecismo da Igreja Católica no número 328: “A existência dos seres espirituais, não corporais, a que a Sagrada Escritura habitualmente chama anjos, é uma verdade de fé. O testemunho da Escritura é tão claro como a unanimidade da Tradição”.

Se a ciência diz que algo é verde, mas Deus afirma que é azul, quem está certo? Deus, meus irmãos! Ele não erra jamais. É verdade que, hoje, conhecemos tantas coisas a respeito daquilo que outrora não conhecíamos. Mas também é verdade que existe o mundo dos espíritos. Vivemos num constante combate espiritual.

O segundo erro grave que vejo é o de se supervalorizar a ação do demônio. São aqueles que veem o diabo em tudo. Não, meu irmão, ele não é deus; é uma criatura. Jamais será maior do que o Senhor nosso Deus.
"Estando na graça de Deus é que prevalecemos sobre as insídias do demônio", ensina padre Duarte Lara
Foto: Fotos CN / Wesley Almeida


Portanto, existem dois erros bem sérios: o de negar a existência do demônio e o de dar-lhe um poder que ele não possui.

Temos que combater nossas más inclinações. Precisamos buscar constantemente nossa conversão interior. Mas afirmar que tudo o que nos acontece é por causa do demônio torna-se um erro. Outra coisa importante: não podemos ter medo do inimigo de Deus. Ele age em nossa vida por meio das tentações que enfrentamos. Até mesmo Jesus teve de combatê-las no deserto. Se nesta vida não tivéssemos de enfrentar as tentações, viveríamos deitados numa espécie de “sofá espiritual”. Mas não é isso! Cada tentação que superamos nos leva ao crescimento da fé. Jesus não deixou de se deparar com as tentações. Mas o que fez Nosso Senhor? Ele pediu ao Pai: “Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do Mal”.

A ação do demônio pode acontecer sobre pessoas, coisas e lugares. A Palavra de Deus nos dá muitos exemplos disso. O beato João Paulo II nos alertou que quem não acredita na existência do demônio, também não acredita na existência de Deus.

Uma pessoa atacada pelo inimigo de Deus sofre distúrbios físicos e psicológicos. Sente como que “agulhadas” no seu corpo, dores inexplicáveis, dentre tantos outros sintomas. Mas o mais importante, meus irmãos, é termos a consciência de que diante do combate espiritual que vivemos, o melhor remédio é estarmos sempre na graça de Deus.


:: Assista a um trecho desta pregação no Canal da WebTVCN no You Tube 


Precisamos viver na presença de Deus! Conheço o caso de um jovem que ingressou numa seita satânica e começou a fazer sacrifícios para conquistar as coisas que queria. Pois bem, este rapaz se apaixonou por uma jovem que ele havia conhecido. Começou, então, a fazer vários sacrifícios satânicos para possui-la, mas nada dava certo! Ele não conseguia nada com essa jovem. Sabe por quê? Porque aquela moça rezava o santo terço todas as manhãs e participava da Santa Missa todos os dias. Eis as nossas armas, meus irmãos! Estando na graça de Deus é que prevalecemos sobre as insídias do demônio.

Essa moça acabou levando o rapaz para a Igreja. E ali o demônio foi perdendo sua força e sua influência sobre aquele jovem e a conversão aconteceu. Glória a Deus!

Padre Pio gostava de chamar o santo terço de “a arma”. Certa vez, uma mulher disse ao santo a respeito de como estava surpresa ao vê-lo rezar tantos terços diariamente. Ao que o santo italiano respondeu: “O que me surpreende é como a senhora reza tão poucos terços!”.
Fiéis acompanham atentamente a pregação do padre exorcista Duarte Lara
Foto: Fotos CN / Wesley Almeida

Acima do santo rosário, está a Eucaristia. 90% das pessoas que procuram a ajuda de um exorcista não estão vivendo na graça de Deus. São pessoas que se afastaram da Eucaristia, não participam da Celebração Eucarística, não se confessam há anos, não rezam o santo terço com frequência. Se você tirar o pecado da sua vida, o inimigo de Deus não encontrará espaço para agir. Dou a vocês esses preciosos conselhos: uma boa confissão ao menos uma vez por mês, Santa Missa e comunhão diárias. A Santa Missa é um “energético espiritual”. Precisamos nos encher de Deus todos os dias. Afastemo-nos do pecado! E nos esforcemos em caminhar diariamente na graça do Pai.


Transcrição e adaptação: Alexandre Oliveira (@alexandrecn)

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Rosário do Espírito Santo (Beata Elena Guerra)



Rosário do Espírito Santo (Beata Elena Guerra)
Início: Vinde ó Deus em meu auxílio. Socorrei-me sem demora. – Gloria ao Pai… Como era no princípio…Amém.


Em cada mistério: Pede-se um Dom do Espírito, repete-se 7 vezes: – Pai santo, no nome de Jesus, manda o Teu Espírito para renovar o mundo!
Maria, que por obra do Espírito Santo, recebestes o Salvador, roga por nós!
1. Vem, ó Espírito de Sabedoria, desapega-nos das coisas da terra e infunde em nós o amor e o gosto pelas coisas do céu. - Pai Santo...
2. Vem, ó Espírito de Inteligência, ilumina a nossa mente com a luz da Tua Eterna verdade e a enriquece de santos pensamentos. - Pai Santo...
3. Vem, ó Espírito de Conselho, faz-nos dóceis as tuas inspiraçoes e guia-nos na via da salvação.  Pai Santo...
4. Vem, ó Espírito de Fortaleza, e dá-nos a força, constância e vitória nas batalhas contra nossos inimigos espirituais. - Pai Santo...
5. Vem, ó Espírito de Ciência, seja o mestre de nossas almas e ajuda-nos a colocar em prática os seus ensinamentos. - Pai Santo...
 6. Vem, ó Espírito de Piedade, vem habitar nos nossos corações para possuir e santificar todos os nossos afetos. - Pai Santo...
7. Vem, ó Espírito de Santo Temor de Deus, reina sobre a nossa vontade e faz que sejamos sempre dispostos a sofrer todos os male, antes que pecar. Pai Santo...

Invocação a Maria
Ó puríssima virgem Maria, que em tua imaculada conceição, foste constituída pelo Espírito Santo em tabernáculo eleito da Divindade. Roga por nós:
R.: Para que o Paráclito venha logo a renovar a face da terra.  Ave Maria...
Ó puríssima virgem Maria, que no mistério da encarnação foste constituída verdadeiramente Mãe de Deus. Roga por nós:
R.: Para que o Paráclito venha logo a renovar a face da terra... Ave Maria...
Ó puríssima virgem Maria que perseverando em oração no cenáculo com os apóstolos, foste Abundantemente inflamada pelo Espírito Santo. Roga por nós:
 R.: Para que o Paráclito venha logo a renovar a face da terra... Ave Maria...
Oração final
Venha sobre nós o teu Espírito, Senhor, transforme-nos interiormente com seus dons: criai em nós um novo coração, para que, possamos agradar-te e conformar-nos à tua santa vontade. Por Cristo Nosso Senhor. Amém.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Bem-vindo à perfeição [Perfeito é quem deixa a vontade de Deus atuar em si, ainda que pareça um desastrado para o mundo]

 


Quando a alma aprendeu a sofrer com paciência, não escolhendo entre alegrias e tristezas, mas por tudo dando graças e louvando a santidade de Deus em todas as situações, aí pode-se dizer que avançou muito em direção à perfeição. Isso não impede que ocorram embaraços diários nas situações corriqueiras, pois é vontade de Deus que seus assemelhados não sejam vistos pelo mundo, mas antes considerados uns desastrados, simplórios, gente que "não tem boca prá nada...", ingênuos, "esquisitos", etc...
Mas, quando a alma aprendeu a sofrer com alegria, bebendo afetuosamente o cálice dos destinos, sem investigar o porquê disso ou daquilo, aí sim, BEM-VINDO À PERFEIÇÃO!!!

 
 Como você percebeu, a perfeição não é de acordo com os critérios do mundo, mas de acordo com a forma como permitimos que a VONTADE DE DEUS se realize em nossas vidas. Quando maior for nossa aceitação à vontade de Deus, o que, obviamente, inclui aceitar nossos próprios defeitos, a rejeição dos outros, a saúde fraca, os medos, dúvidas, incertezas, as hostilizadades, as zombarias, as incompreensões...... (e por aí vai...), TANTO MAIOR SERÁ NOSSA SILENCIOSA E DISCRETA PERFEIÇÃO DIANTE DE DEUS...!

 
 
 
E, principalmente, a perfeição passa pela CRUZ. Quem não toma sua cruz para seguir Jesus, não O encontrará!
 
Obviamente que nesse caminho há a OBEDIÊNCIA, VIDA VIRTUOSA e um ESFORÇO DIÁRIO PARA SER BOM, isso sem falar em uma ardentíssim devoção à Virgem Maria, que foi a primeira a trilhar o caminho da perfeição, pois tinha, teve e tem Jesus dentro de si.
 
Mas é preciso deixar claro que os progressos efetivos somente são alcançados com a graça de Deus, que é abundante aos que buscam a perfeição, cientes de que "Sem Mim nada podeis fazer."
Não há perfeição maior do que as pessoas que se assemelham a Jesus, no modo de viver e na aceitação do sofrimento!

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

PAI - Mensagem do Dia dos Pais - Padre Fábio de Melo canta "Pai", música que ficou famosa na voz de Fábio Júnior.



Pai

Eu parei aqui e comecei a pensar;
Como uma palavra tão pequena pode significar tanto?
São apenas três letras, como uma trindade;
Três que significam tudo, o todo.

Como pode uma palavra tão simples retratar algo tão grandioso?
Tudo o que um pai é ou representa;
Como pode uma palavra aparentemente pobre em grafemas;
Retratar algo de esplendor imensurável?

Só sei que pai é como o sol e como o céu;
Apenas três letras, pois nem todo o alfabeto poderia descrevê-lo;
Nem todos os grafemas do mundo poderiam dizê-lo;
Nem todas as línguas – mortas ou vivas – poderiam sabê-lo;
E ao mesmo tempo representá-lo;
Pelo simples fato de que pai é pai.

Pai!?
Só quem é sabe o peso e a angústia;
Os tormentos, os medos a inquietação.
Só quem é sabe o impiedoso resgate que o mundo cobra;
Para não devorar seus filhos;
Ou para não levá-los por caminhos obscuros;
Que levam à morte.

Pai!?
Só quem é sabe como é penoso e, por vezes, doloroso;
Impor limites, educar, dar bons exemplos;
Ser sólido rochedo, enquanto tudo desaba;
Ser proteção inabalável, enquanto o medo avança;
Não guardar mágoas ao ser esquecido em asilos, albergues, casas de repouso;
E, mesmo assim, ser um eterno apaixonado pelos rebentos que gerou.

Pai!?
Só Deus sabe o que é ser Pai!
Só o Pai sabe como é ser Pai, Pai de verdade.
Pois a natureza não transforma o homem em pai;
Ele apenas se torna.
Na verdade, o que transforma o homem em pai é a imitação do Pai;
É o carregar diário das cruzes e dos fardos;
É a renúncia às paixões do mundo e a todas as seduções.
Ser Pai é como ser um pequeno deus, um imitador do Altíssimo;
Que, além de proporcionar tudo, sacrifica-se dia a dia;
Pratica violência contra a própria natureza;
Tendo a plena certeza que nunca será reconhecido.
Não poderá nem mesmo esperar "obrigado!";
Muito menos, "te amo!";
Pois tudo que um pai proporciona, o faz em doação;
Doação com renúncia;
Pois a ninguém é dado – nem mesmo aos pais – amar sem sofrer.

Pai!?
Três letras que dizem um pouco menos que tudo;
Um pouco mais que o todo;
Enfim, o suficiente para que o filho cresça e saiba;
Que o amor maior não pode ser mensurado pelas palavras;
Mas, representado por apenas três letras.
Pai diz tudo, sem omitir nada;
Assim como o sol e o céu.
Imensidão que se faz palavra miúda;
Para que os filhos saibam, desde pequeninos;
A chamarem: Pai! Em todos os momentos.
(De Marcos Suzin, Vacaria/RS)





Vídeo sobre Nossa Senhora de Guadalupe.

domingo, 21 de julho de 2013

Encontro de Oração. RCC Sananduva/RS, Esmeralda/RS, Bom Jesus/RS e Vacaria/RS.

Padre Evaldo Petry

Santuário Nossa Senhora da Oliveira, visão interna;

Padre Evaldo e Ronaldo Costa

Leny Carlotto, coordenadora diocesana da RCC

Nicolas Costa

Nelci Salete da Silva
Santuário Nossa Santuário

Marcelo Chemelo e Nicolas Costa
Momento da adoração eucarística.


segunda-feira, 15 de julho de 2013

Maria na Bíblia [Onde está Maria na Bíblia? O que a Bíblia fala de Maria? Quem é esta Mulher?][Baseado no livro Porque Sou Devoto de Maria!?]


Maria na Bíblia
Antes de mais nada, observo que a Bíblia não fala muito de Maria, mas o suficiente para que ela seja conhecida e amada. Já no início do Gênesis[1], a Palavra narra a queda do ser humano primitivo, que foi vitimado pela serpente, o “mais astuto de todos os animais dos campos”[2], símbolo facilmente associado ao mal. Desde então, houve forte antagonismo entre a Mulher e a serpente, em razão da sentença que estabeleceu “Porei ódio entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”[3].
No Livro do Profeta Isaías, Capítulo 7, versículos 13-15, tem-se a seguinte narrativa:
“Isaías respondeu: ‘Ouvi casa de Davi: Não vos basta fatigar a paciência dos homens? Pretendeis cansar também o meu Deus? Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem[4] conceberá e dará à luz um filho, e o chamará ‘Deus Conosco’[5]. Ele será nutrido com manteiga e mel até que saiba rejeitar o mal e escolher o bem...."
No início do Evangelho de São Mateus, mais precisamente nos versículos 18-25 do capítulo 1, faz-se expressa referência a que tudo o que em Maria se realizou é obra do Espírito Santo, ou seja do Espírito de Deus. Então vamos conferir:
“Eis como nasceu Jesus Cristo: Maria, sua mãe, estava desposada com José. Antes de coabitarem, aconteceu que ela concebeu por virtude do Espírito Santo. José, seu esposo, que era homem de bem, não querendo difamá-la, resolveu rejeitá-la secretamente. Enquanto assim pensava, eis que um anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos e lhe disse: José, filho de Davi, não temas receber Maria por esposa, pois o que nela foi concebido vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados’. Tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que o Senhor falou pelo profeta: ‘Eis que uma Virgem conceberá e dará à luz um filho, que se chamará Emanuel (Isaias 7,14), que significa: Deus conosco.” (grifos acrescidos)
O Evangelho de São Marcos, que foi o primeiro a ser escrito, o que ocorreu por volta do ano 64 d.C, não aborda esse momento da concepção de Jesus, uma vez que seu objetivo era apresentar Jesus Cristo a partir do batismo recebido de João Batista. Marcos, que se chamava João Marcos e era natural de Jerusalém, foi convertido a partir das pregações de São Pedro, a quem acompanhou até seus últimos dias em Roma. Marcos escreveu seu evangelho a partir das histórias que ouviu de Pedro, mas, ao contrário de Mateus, nunca tentou provar as revelações e profecias. Os objetivos de Marcos sempre foram narrar os fatos da vida de Jesus, razão pela qual se restringe a fazer uma abordagem inicial de João Batista e após, ainda no capítulo 1, já narrar a o batismo de Jesus no Rio Jordão, já no início de sua vida pública aos trinta anos. Marcos objetivou provar que Jesus é o Filho de Deus, fazendo isso a partir da narrativa das obras de Jesus. Na verdade, salvo melhor análise, Marcos se refere à Maria apenas uma vez, porém o suficiente para dizer tudo, que Maria é a Mãe de Jesus[6].
O Evangelho de João tem um aspecto diferente das narrativas de Mateus, Marcos e Lucas. São João, que provavelmente era o mais jovem dos apóstolos, escreveu seu evangelho mais como uma meditação do que propriamente uma narrativa. Isso tanto é verdade que já no primeiro capítulo João se esmera em demonstrar que a Jesus é a Palavra de Deus que se fez ser humano e habitou entre nós.
Vamos ver o capítulo primeiro do Evangelho de São João:
“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava junto de Deus e o Verbo era Deus (...). Tudo foi feito por ele, e sem ele nada foi feito. Nele havia vida, e a vida era luz dos homens (...). [O verbo] era a verdadeira luz que, vindo ao mundo, ilumina todo homem. Estava no mundo e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu (...). Mas a todos aqueles que o receberam, aos que creem no seu nome, deu-lhe o poder de se tornarem filhos de Deus, os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas sim de Deus. E o verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio da graça e da verdade. (...) Todos nós recebemos de sua plenitude graça sobre graça.” (grifos acrescidos)
Portanto, se Jesus é a Palavra de Deus (Verbo), e a Palavra se fez carne, ou seja, ser humano, e habitou entre nós, pergunto:
Onde isso aconteceu? Analisando os textos bíblicos já mencionados, observamos que a Palavra de Deus, por obra do Espírito Santo, se fez ser humano no corpo da Virgem Maria.
Portanto, a carne, os ossos, o sangue e demais ingredientes – por assim dizer - de Jesus foram extraídos do corpo de Maria onde induvidosamente se formou o Corpo de Cristo. Assim, Jesus e Maria são, comprovadamente, corpo do mesmo corpo, sangue do mesmo sangue, com todos os detalhes e semelhanças físicas e estéticas que normalmente caracterizam mães e filhos.
Você já imaginou o quanto Jesus poderia ser fisicamente parecido com Maria? Na cor dos olhos, do cabelo, no formato do rosto? Você imaginou o quanto eles eram parecidos no jeito de falar, na forma de se expressar, e o quanto Jesus herdou dos atributos físicos, morais e intelectuais de Maria?
Mas isso tudo eu já falei sem mesmo referir o Evangelho de São Lucas, meu preferido para tratar desse assunto.
Lucas[7] era um médico grego natural de Antioquia[8]. Seu evangelho é tido como uma continuação do Livro dos Atos dos Apóstolos. No Evangelho narra-se o caminho de Jesus e nos Atos o caminho da Igreja.
E se o Evangelho de Lucas mostra o caminho de Jesus, obviamente mostra onde esse caminho começou, em Maria. Com efeito, por obra de Deus através do Espírito Santo, Jesus foi concebido no seio imaculado da Virgem Maria, para nela ser ocultado e para dela receber todo o necessário para a sua formação humana e para o seu crescimento físico e intelectual.
De um modo impressionante e detalhista, Lucas narra os momentos iniciais da concepção e do nascimento de Jesus, de modo a não deixar dúvidas dos grandes feitos que Deus operou no mundo a partir de Maria.
Vamos, então, transcrever um pequeno trecho:
“No sexto mês, o anjo Gabriel foi envidado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um homem que se chamava José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria. Entrando, o anjo disse-lhe: Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo. Perturbou-se ela com essas palavras e pôs-se a pensar no que significaria semelhante saudação. O anjo disse-lhe: Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. Ele será grande e chamar-se-á Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi; e reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim. Maria perguntou ao anjo: ‘Como ser fará isso, pois eu não conheço homem?’ Respondeu-lhe o anjo: O Espírito Santo descerá sobre ti e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus...” (Evangelho de São Lucas, capítulo 1, versículos 26 e seguintes) (grifos acrescidos)
Nesse primeiro momento já observamos a saudação angélica, Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é contigo. Não é difícil perceber de onde a Igreja tirou as palavras iniciais da oração Ave-Maria.
Nesse mesmo momento da anunciação do anjo, Gabriel revela que:
 “...Isabel, tua parenta, até ela concebeu um filho na sua velhice; e já está no sexto mês aquela que era tida como estéril porque a Deus nenhuma coisa é impossível. Então disse Maria: ‘Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a sua palavra. E o anjo afastou-se dela.” (Idem anterior, versículos 36-38) (grifou-se)
Diante do conhecimento de que sua parenta Isabel, aquela tida como estéril, estava grávida, e que já estava no sexto mês, Maria, solidária e prestativa, pôs-se em direção às montanhas, onde Isabel residia. Possivelmente tenha feito o trecho todo a pé, caminhando por uma região pedregosa e difícil até chegar à residência de Zacarias, esposo de Isabel.
Ao adentrar na morada de Isabel, o evangelista Lucas narra outro momento impressionante:
“Naqueles dias, Maria levantou-se e foi às pressas às montanhas, a uma cidade de Judá. Entrou em casa de Zacarias e saudou Isabel. Ora apenas Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu seio; e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. E exclamou em alta voz: ‘Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me vem a honra de vir a mim a mãe do meu Senhor? Pois assim que a voz de tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança estremeceu de alegria no meu seio. Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas!(versículos 39-45) (grifos acrescidos)
Aqui também se percebe mais um fragmento utilizado para a formação da oração Ave Maria, “bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre, Jesus”. Assim, a primeira parte da Ave Maria é composta a partir dos versos acima indicados, extraídos da Sagrada Escritura. Assim, recitar a Ave-Maria é recitar a Escritura.
Mas o que eu gostaria de observar nessa parte é que bastou Isabel ouvir a saudação de Maria para, juntamente com o seu filho ainda em gestação, ficar cheia do Espírito Santo. Isso permite a conclusão de que o Espírito de Deus, após a encarnação do Verbo, sempre operou seus prodígios através de Maria, o que se confirmou tanto no primeiro milagre de Jesus nas Bodas de Caná, como em Pentecostes e como reiteradamente vem operando até os dias de hoje.
É evidente que Isabel ficou cheia do Espírito Santo porque Jesus, apesar de ainda estar recluso e em formação no ventre de Maria, assim o concedeu. Porém, a Palavra deixa claro que tudo o que o Espírito Santo faz, o faz em Jesus, por Jesus, mas pelas mãos e pela conduta de Maria. Com efeito, Deus é a fonte de toda graça e milagre, age em Jesus e através dEle, ao sopro do Espírito Santo, mas dispensa e concede tudo por Maria.
Outro detalhe de suma importância é a expressão de Isabel que demonstra até espanto ao dizer: “donde me vem a honra de vir a mim a mãe do meu Senhor?”. Ora, como se sabe, os judeus somente utilizavam a expressão Senhor ou “Iahweh” [ou IHWH][9] como referência a Deus, já servindo, portanto, de fundamento para a segunda parte da oração da Ave Maria, que é chamada de “Mãe de Deus”, em razão de que Jesus, por sua “igualdade com Deus”[10], ou seja, por ser a segunda pessoa da Santíssima Trindade e, portanto, unissubstância de Deus, ser filho de Maria. Zacarias é ainda mais direto ao atribuir ao próprio filho João Batista a referência “profeta do Altíssimo”, acrescentando que João “precederá o Senhor e lhe preparará o caminho”[11].

Após ouvir as palavras de Isabel, bem como de comprovar com os próprios olhos a graça que Deus havia realizado naquela que era tida como estéril, que, naquele tempo, era tido como uma maldição ou castigo, Maria glorifica a Deus do mais profundo de sua alma, compondo o “Magnificat”[12]:
“Minha alma glorifica ao Senhor, meu espírito exulta de alegria em Deus, meu Salvador, porque olhou para sua pobre serva. Por isso, desde agora, me proclamarão bem-aventurada todas as gerações, porque realizou em mim maravilhas aquele que é poderoso e cujo nome é Santo. Sua misericórdia se estende de geração em geração, sobre os que o temem. Manifestou o poder do seu braço; desconcertou os corações dos soberbos. Derrubou do trono os poderosos e exaltou os humildes. Saciou de bens os indigentes e despediu de mãos vazias dos ricos. Acolheu a Israel, seu servo, lembrando de sua misericórdia, conforme prometera a nossos pais, em favor de Abraão e sua posteridade, para sempre.” (versículos 46-56)(grifos acrescidos)
Esse louvor entoado por Maria demonstra não só uma profunda graça do Espírito Santo, mas também um detalhado conhecimento das Escrituras. Isso demonstra que Maria, apesar de sua conhecida humildade, não era uma pessoas ingênua e muito menos simplória, mas uma profunda conhecedora de Deus e da esperança de seu povo.
O “Magnificat” anuncia que as gerações, todas as gerações, hão de proclamá-la bem-aventurada, expressão esta que significa gozar de uma grande felicidade. Portanto, todo aquele que questiona a santidade de Maria e sua primazia diante de Deus ofende gravemente a Escritura e o Espírito Santo que operou todas essas obras. Nunca é demais lembrar e advertir que os pecados contra o Espírito Santo não serão perdoados, conforme expressamente nos advertiu Jesus (Marcos 3,28).
Após o nascimento de Jesus em Belém, o alvoroço todo dos pastores e tudo o que se falava acerca do Menino, “Maria conservava todas estas palavras, meditando-as em seu coração” (Lucas 2, versículos 19 e 51).
Na apresentação de Jesus no Templo, aos quarenta dias de vida, a profecia de Simeão, que anunciou que a maternidade de Maria teria como consequências muitos sofrimentos, é expressa nestes termos: “Uma espada transpassará a tua alma” (Lucas 2, 35), referindo-se a extrema dor que sentiria a Virgem Santíssima ao ver seu Filho crucificado.
Aos doze anos, Jesus foi levado a Jerusalém, porém não regressou com a comitiva, permanecendo na Cidade Santa sem que seus pais o soubessem. Foram três dias de agonia e angústia de José e Maria, que finalmente encontraram Jesus no templo, discutindo e interrogando os doutores da lei. Após uma inquirição inicial, Jesus regressa com José e Maria para Nazaré, e lhes era obediente, conforme a própria palavra faz questão de frisar no versículo 51 do capítulo 2 do Evangelho de São Lucas.
Como a Bíblia só volta a falar de Jesus após Ele iniciar sua vida pública, o que ocorreu quando Ele já tinha 30 anos, é óbvio que não se falou de Maria nesse período.
Passado esse período oculto da vida de Jesus, foi em Caná da Galiléia, conforme narra o evangelista João, que Jesus opera prematuramente o seu primeiro milagre:
“Três dias depois, celebravam-se bodas em Caná da Galiléia, e achava-se ali a mãe de Jesus. Também foram convidados Jesus e seus discípulos. Como viesse a faltar vinho, a mãe de Jesus disse-lhe: ‘Eles já não têm vinho.’ Respondeu-lhe Jesus: ‘Mulher, isso compete a nós? Minha hora ainda não chegou.’ Disse, então, sua mãe aos serventes: ‘Fazei o que ele vos disser.’ Ora, achavam-se ali seis talhas de pedra para as purificações dos judeus, que continham cada qual duas ou três medidas. Jesus  ordena-lhes: ‘Enchei as talhas de água.’ Eles  e encheram-nas até em cima. ‘Tirai agora, disse-lhes Jesus, e levai ao chefe dos serventes’. E levaram. Logo que o chefe dos serventes provou a água tornada vinho, não sabendo de onde era, chamou o noivo, e disse-lhe: É costume servir primeiro o vinho bom e, depois, quando os convidados já estão embriagados, servir o menos bom. Mas tu guardaste o vinho melhor até agora.” (João, 2, 1-10) (grifos acrescidos)
Analisando esta passagem, observa-se que Jesus refere-se de modo expresso à sua genitora como “Mulher”, deixando expresso que Maria é, de fato, a Mulher que esmaga a cabeça da “serpente”, conforme narrou o Espírito no Livro do Gênesis (3, 15). Também é a mesma Mulher que se reveste de sol no Apocalipse para vencer definitivamente o mal personificado pelo “dragão”.
Mas não é só isso, esta passagem também demonstra que Jesus não resiste ao pedido de sua amadíssima Mãe e, mesmo com uma aparente relutância, atende a tão amoroso pedido. Além disso, observa-se que Maria confiou muito em Jesus, a ponto de chamar os serventes antes mesmo que Jesus respondesse ao anseio maternal, confiança esta que Jesus correspondeu realizando o primeiro de muitos milagres.
Assim, Jesus iniciou seus milagres por Maria e por ela os continua fazendo até os dias de hoje e assim o fará, até o fim dos tempos.
Também merece a devida observação o fato de que Jesus não só transformou a água em vinho, mas transformou em vinho de ótima qualidade, pois tudo que vem de Deus é bom, porque vem por Jesus através de Maria, a dispensadora de todas as graças. A passagem das Bodas de Caná também traz a última referência dos evangelistas às palavras de Maria, depois sobrevêm – no tempo devido – o silêncio e a dor diante da cruz e a presença indispensável no Dia de Pentecostes.
Em outros momentos, a Bíblia faz pequenas referências a Maria, demonstrando que ela acompanhava Jesus, sendo sua primeira discípula.  
Na crucificação, o evangelista João, que foi testemunha ocular, faz questão de referir que:
“Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua mãe, a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena. Quando Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo o discípulo que amava, disse à sua mãe: Mulher, eis aí teu filho.’ Depois disse ao discípulo: ‘Eis aí tua mãe.’ E dessa hora em diante o discípulo a levou para sua casa.” (João, 19, 25-27)
Nessa passagem, Jesus confia o discípulo que amava, aqui referido como o jovem evangelista João, aos cuidados de sua Mãe, e confia sua Mãe aos cuidados de seus discípulos, mais precisamente à Igreja. Assim, a Igreja de tradição apostólica, ou seja, que cresceu a partir da evangelização promovida pelos apóstolos, cumpre à risca o que pediu Jesus, prestando o devido cuidado e reverência à Mãe de Deus que, por sua vez, cuida dos pequenos seguidores de Jesus espalhados pelo mundo inteiro. Em outras palavras, em João, todos nos tornamos filhos de Maria, a qual tem em Jesus seu primogênito e nos cristãos seus adotivos.
Também merecem o devido registro as seguintes passagens bíblicas:
No Livro de Ezequiel faz-se a seguinte referência acerca do templo cujo acesso só a Deus é permitido:
Ele reconduziu-me ao pórtico exterior do santuário, que fica fronteiro ao oriente, o qual se achava fechado. O Senhor disse-me: ‘Este pórtico ficará fechado. Ninguém o abrirá, ninguém aí passará, porque o Senhor, Deus de Israel aí passou; ele permanecerá fechado. O príncipe, entretanto, enquanto tal, poderá aí assentar-se para tomar sua refeição diante do Senhor. Ele entrará pelo vestíbulo do pórtico e sairá pelo mesmo caminho.’...” (Ezequiel, capítulo 44, versículos 2 e 3)
Nesse ponto importa referir o Príncipe como um líder ou chefe de uma comunidade futura, figura que pode ser associada a Jesus, muito embora sem muita clareza. No texto, observa-se que há referência a presença de Deus em Maria (pórtico) e que ela servirá de alimento ao príncipe (referência à amamentação de Jesus e à alimentação que Jesus, enquanto no útero de Maria, recebeu seu sua amadíssima genitora através do cordão umbilical). O texto também permite referir que Maria permanecerá fechada, ou seja, virgem, mesmo após o Príncipe ter saído pelo mesmo vestíbulo que entrou.
No Cântico dos Cânticos (Capítulo 4, 7), há referência expressa de que a esposa é “toda bela” e “não há mancha em ti”, no que permite concluir que a Esposa do Espírito Santo, que é o editor bíblico, é bela e sem manchas, ou seja, imaculada. No Salmo 86, 3 consta “De ti se anuncia um glorioso destino, ó cidade de Deus”.
O Salmo 44 (Heb. 45) também merece o devido destaque, conforme transcrevo abaixo:
“1. Ao mestre de canto. Segundo a melodia: Os lírios. Hino dos filhos de Coré. Canto nupcial. 2. Transbordam palavras sublimes do meu coração. Ao rei dedico o meu canto. Minha língua é como o estilo de um ágil escriba. 3. Sois belo, o mais belo dos filhos dos homens. Expande-se a graça em vossos lábios, pelo que Deus vos cumulou de bênçãos eternas. 4. Cingi-vos com vossa espada, ó herói; ela é vosso ornamento e esplendor. 5. Erguei-vos vitorioso em defesa da verdade e da justiça. Que vossa mão se assinale por feitos gloriosos. 6. Aguçadas são as vossas flechas; a vós se submetem os povos; os inimigos do rei perdem o ânimo. 7. Vosso trono, ó Deus, é eterno, de equidade é vosso cetro real. 8. Amais a justiça e detestais o mal, pelo que o Senhor, vosso Deus, vos ungiu com óleo de alegria, preferindo-vos aos vossos iguais. 9. Exalam vossas vestes perfume de mirra, aloés e incenso; do palácio de marfim os sons das liras vos deleitam. 10. Filhas de reis formam vosso cortejo; posta-se à vossa direita a rainha, ornada de ouro de Ofir. 11. Ouve, filha, vê e presta atenção: esquece o teu povo e a casa de teu pai. 12. De tua beleza se encantará o rei; ele é teu senhor, rende-lhe homenagens. 13. Habitantes de Tiro virão com seus presentes, próceres do povo implorarão teu favor. 14. Toda formosa, entra a filha do rei, com vestes bordadas de ouro. 15. Em roupagens multicores apresenta-se ao rei, após ela vos são apresentadas as virgens, suas companheiras. 16. Levadas entre alegrias e júbilos, ingressam no palácio real. 17. Tomarão os vossos filhos o lugar de vossos pais, vós os estabelecereis príncipes sobre toda a terra. 18. Celebrarei vosso nome através das gerações. E os povos vos louvarão eternamente. “
Acerca do Salmo 44, é importante referir que se trata de uma ode, ou seja, uma composição poética ao melhor estilo Cânticos dos Cânticos.  É evidente a representação feita pelo editor bíblico, ocasião em que simboliza a união de Deus com o povo eleito (casamento), em que o esposo é Jesus (O Messias, referido como Rei que abomina o mal e ama a justiça). A Rainha simboliza a humanidade regenerada, e esta regeneração é a partir de Maria e seu primogênito Jesus, de quem descende a Igreja, ou seja, a assembleia daqueles que ouvem a Palavra e a põem em prática no dia-a-dia.
O Antigo Testamento também faz referência a várias mulheres, por exemplo: Raab, Débora, Judith, Ester, entre outras. Tais mulheres se notabilizaram, ou seja, se tornaram conhecidas, por terem salvo o povo hebreu do extermínio, sendo facilmente associadas à figura de Maria, que é não apenas a Mãe do Salvador, mas diligente e intensamente ativa partícipe da obra da redenção.
Lógico que estas últimas referências demandam certo esforço de interpretação, porém, para efeitos dessa pequena e inexpressiva obra, achei por bem mencionar.
E assim, a Bíblia fala pouco de Maria, mas o suficiente para que ela seja conhecida e amada, com o objetivo primordial de fazer conhecer Jesus Cristo, que é o cerne, âmago, a essência e o objetivo principal da devoção mariana.
* Este texto é inspirado no 1º capítulo do Livro: POR QUE SOU DEVOTO DE MARIA!? (autoria do Diácono Marcos Suzin). No entanto, anos mais tarde, o autor modificou substancialmente o trecho).

https://clubedeautores.com.br/livros/autores/marcos-da-boit-suzin




[1] Livro do Gênesis, capítulo 3.
[2] Idem anterior, versículo 1.
[3] Idem anterior, versículo 15.
[4] Importante referir que os textos gregos e latinos traduzem assim a palavra hebraica que designa uma moça, sendo que jamais esse termo é aplicado na Bíblica para se referir a mulheres casadas. Portanto, não há dúvidas que se trata de uma “virgem” que, apesar dessa condição, conceberá e dará à luz um filho, que será chamado Deus Conosco, ou seja, Deus estará nesse Filho para estar com os seres humanos até o final dos tempos.
[5] Lit. “Emanuel”.
[6] Não é ele o carpinteiro, o filho de Maria, o irmão de Tiago, de José, de Judas e de Simão? Não vivem aqui entre nós também suas irmãs? E ficaram perplexos a seu respeito. (São Marcos 6, 3)


[7] “Lucas é um sírio de Antioquia, sírio pela raça, médico de profissão. Tornou-se discípulo dos apóstolos e mais tarde seguiu a Paulo até ao seu martírio. Tendo servido o Senhor com perseverança, solteiro e sem filhos, cheio da graça do Espírito Santo, morreu com 84 anos de idade.” (historiador Helmut Koester)
[8] http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Lucas
[9] Por respeito também é chamado ADONAI ou KYRIOS (no grego)
[10] “Dedicai-vos mutuamente a estima que se deve em Cristo Jesus. Sendo ele de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a sim mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até à morte, e morte de cruz. Por isso Deus o exaltou poderosamente e lhe outorgou o nome que esta acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é o Senhor.” (Carta aos Filipenses capítulo 2, versículos 5-11)

[11] Lucas, 1, 76.
[12] Magnificat (também conhecida como Canção de Maria) é um cântico entoado (ou recitado) frequentemente na liturgia dos serviços eclesiásticos cristãos. O texto do cântico vem diretamente do Evangelho segundo Lucas,1 onde é recitado pela Virgem Maria na ocasião da Visitação de sua prima Isabel. Na narrativa, após Maria saudar Isabel, que está grávida com aquele que será conhecido como João Batista, a criança se mexe dentro do útero de Isabel. Quando esta louva Maria por sua fé, Maria entoa o Magnificat como resposta. O cântico ecoa diversas passagens do Antigo Testamento, porém a alusão mais notável são as feitas à Canção de Ana, dos Livros de Samuel.2 Juntamente com o Benedictus e o Nunc dimittis, e diversos outros cânticos do Antigo Testamento, o Magnificat foi incluído no Livro de Odes, uma antiga coletânea litúrgica encontrada em alguns manuscritos da Septuaginta. No cristianismo, o Magnificat é recitado com mais frequência dentro da Liturgia das Horas. No cristianismo ocidental o Magnificat é mais cantado ou recitado durante o principal serviço vespertino: as Vésperas, no catolicismo romano, e a Oração Vespertina (Evening Prayer ou Evensong, em inglês), dentro do anglicanismo. No cristianismo oriental o Magnificat costuma ser cantado durante as Matinas de domingo. Em certos grupos protestantes o Magnificat pode ser cantado durante os serviços de culto. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Magnificat)

terça-feira, 9 de julho de 2013

O Verdadeiro Amor [Sofrimento, perdão, anjos, comunhão, Jesus, Dolorosa Paixão}

 

O verdadeiro amor consiste em fazer o bem, mesmo a quem nos entristece. É rezar e fazer algo, mesmo por pessoas de convivência difícil. Jesus ensinava que fazer o bem a quem nos faz o bem é algo comum, até os maus sabem fazer isso. Mas fazer o bem a quem nos molesta, nos ofende, nos machuca, nisso consiste uma virtude sólida de uma alma efetivamente evangelizada.


Não é difícil perceber que o amor e o sofrimento andam juntos. O amor sempre é ornado com uma coroa de espinhos, porque a ninguém e dado, nem mesmo a Jesus e seus amigos, amar sem sofrer. Aliás, o amor se prova justamente no sofrimento, pois na adversidade, na doença, na perda, só quem nos ama fica conosco.

Em alguns casos só Jesus nos faz companhia.

O verdadeiro sofrimento nos é provocado pelas pessoas que amamos, mas - como ensinava Padre Pio de Pietrelcina - para isso existe o perdão, e a chave do perdão é a oração. Quem não reza não sabe perdoar! E quem não perdoa não é perdoado!

Você sabia que - segundo as lições da bem-aventurada Santa Faustina - se os anjos pudessem invejar o ser humano, o fariam por dois motivos: A COMUNHÃO (os anjos dizem: "a nós não foi concedido nos alimentarmos de Deus") e o SOFRIMENTO (pois aos anjos também não foi dado assemelharem-se a Jesus).


Portanto, em momentos difíceis ore com mais instância, mais profundamente, exatamente como fez Jesus no Horto das Oliveiras (Lucas 22, 44), tendo sempre em mente que os sofrimentos desta vida não têm comparação com a glória que é reservada a todos os que se assemelharem a Jesus, observando-se que quando mais parecido com Jesus você for nas dores da paixão, mais parecido o será no esplendor da glória celeste.

Deus abençoe você....

Dia do Imaculado Coração de Maria!

"O Imaculado Coração de Maria é uma devoção católica que ganhou grande destaque com as aparições de Fátima. Consiste na veneraç...