segunda-feira, 20 de maio de 2013

Vamos jogar pôquer, Sr. Diabo? [Ensinamento de Frei Elias Vella - do Livro: O Anticristo. Quem é e como age. Administrando emoções e sentimentos. Fé, Confiança, Perdão, Jesus]


“Vamos jogar pôquer, Sr. Diabo?
Eu sei que estarei arriscando, ou mesmo comportando-me de modo meio maluco. Mas... Sempre desejei jogar pôquer com o diabo. E o diabo aceitou!
Ele jogou a primeira carta; nela estava escrito PREOCUPAÇÃO.


O diabo usa esta carta com frequência: preocupação com o passado, preocupação com o presente, preocupação quando eu penso que não sou um sucesso, preocupação quando começo a sentir ciúmes, preocupação quando penso sobre o que os outros estão falando de mim, preocupação sobre a minha idade avançada... E como ele é um bastardo! Ele continua a me atormentar com dores de cabeça, dores de estômago... e assim por diante. Vamos reconhecer: a primeira carta que ele jogou foi escolhida de maneira muito inteligente.
Graças a Deus que Jesus está perto de mim. Eu mostrei a Jesus a carta que o diabo me jogou, e imediatamente Ele abriu a Bíblia para mim. Vieram-me à mente as palavras que Jesus disse a Pedro, quando este se debatia contra as ondas do mar e gritou a Jesus: ‘Mestre, Mestre, estamos perecendo!” E Jesus disse a Pedro – e agora está dizendo também para mim –Onde está a vossa fé?’ (Lc 8, 22-25).
Rapidamente peguei a minha carta e a joguei na frente do diabo: FÉ!
Eu o vi tremer... Senti que ele ficou com medo. Ele percebeu que havia perdido a primeira carta.
Ele embaralhou e me jogou sua segunda carta: CANSAÇO.



Criatura maldita: Meteu-se outra vez numa arapuca.
Cansaço... porque o trabalho se transformou no meu ídolo.
Cansaço... porque eu me esqueci do significado do ‘descanso’.
Cansaço... porque eu penso que o mundo está nas minhas mãos.
Cansaço... porque eu quero fazer tudo sozinho. Eu só aceito as coisas que EU faço.
Cansaço... porque, quanto mais eu trabalho mais eu sinto que eu tenho que trabalhar.
Cansaço... porque, por conta do meu trabalho, eu me sinto desequilibrado, sem equilíbrio verdadeiro na minha vida.
Eu vi que ele estava sorrindo. Ele está certo. Ele teve seu lance de sorte.
E, portanto, eu me voltei para o meu Mestre e Lhe pedi para me ajudar.
Abri a Bíblia e Jesus pediu-me para olhar as aves do céu e os lírios do campo. Ele me pediu para pensar apenas no dia de hoje, porque o dia de hoje já tem o seu próprio fardo.
‘Não vos preocupeis, pois, com o dia de amanhã:
O dia de amanhã terá suas preocupações próprias.
A cada dia basta o seu cuidado.’ (Mt 6,34)
Fiquei então aliviado e joguei diante dele a minha segunda carta: CONFIANÇA!
Vi que ele ficou com raiva. Ele percebeu que havia perdido também a segunda carta.

Novamente, embaralhou e jogou a terceira carta: AMARGURA.

Desta vez fui eu quem começou a tremer. Ele percebeu que, no meu íntimo, eu sentia uma amargura com relação àquelas pessoas que um dia me prejudicaram, com relação àquelas pessoas que um dia me feriram. Eu sentia raiva daqueles que um dia levaram vantagem sobre mim. Eu estava pensando em me vingar daqueles que um dia me trataram mal. Eu cultivava amargura com relação àquelas pessoas que não gostavam de mim. E com esta carta que o diabo jogou na minha frente ele continuou a ferir meus sentimentos. Minha cabeça começou a ficar maluca, pensando como eu iria dar o troco. Meu coração começou a endurecer contra aqueles que se tornaram meus inimigos. Eu estava perdido... por pouco não joguei o baralho para o ar, declarando-me derrotado.
Mas Jesus bateu-me no ombro e me pediu par abrir a Bíblia novamente.
E então Ele me disse: 
‘Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, abençoai os que vos maldizem e orai pelos que vos injuriam’ (Lc 6,27).

Encontrei a carta certa e joguei-a na frente do diabo: PERDÃO!


O diabo levantou-se cheio de raiva. Eu vi fogo e ódio saindo dele. Esta carta era quente demais para ele. Ele não aguentou. E aumentou a raiva dele contra mim. Ele não suportava a ideia de estar perdendo.
E, portanto, ele procurou atentamente pela quarta carta e com toda a aspereza jogou-a na minha frente: DINHEIRO.



O dinheiro deixa todo mundo cego, e eu não sou nenhuma exceção. Eu sempre achei que este não era problema meu, até que o diabo começou a cochichar no meu ouvido e mostrar-me a beleza do dinheiro. Com o dinheiro, você pode fazer muita caridade; você pode patrocinar muitas ações boas em benefício dos outros; você pode construir uma estrada no mar! Você pode abraçar e beijar. Você pode ser independente, e assim você não se tornar um fardo para ninguém; você pode evitar muitos problemas e assim viver serenamente. Portanto... o dinheiro é maravilhoso. Eu via o dinheiro brilhando... Simplesmente deslumbrante... E quase acabei adorando o dinheiro como a um bezerro de ouro. O diabo percebeu que eu estava caindo na armadilha e sorriu para mim. E ele me tranquilizou dizendo que estava pronto para me ajudar e adquirir mais... e mais...
Como eu me senti atordoado, esqueci que Jesus estava perto de mim. Mas, ai de mim! O próprio Jesus, se quisesse, poderia me dar muitas riquezas. Ele não tinha problema algum em competir com o diabo, se quisesse. E daí? Abri a Bíblia:
“Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a ferrugem e as traças corroem, onde os ladrões furam e roubam. Ajuntai para vós tesouros no céu, onde não os consomem nem as traças nem a ferrugem, e os ladrões nem furam nem roubam. Porque onde está o vosso tesouro, lá também estará vosso coração.” (Mt 6, 19-21)
Achei a minha quarta carta e joguei: CÉU!



Ele perdeu também a quarta carta.
Chegamos à última carta. O diabo parecia ter uma carta muito boa em sua mão. Ele estava muito satisfeito com a carta que tinha. Ele se mostrava seguro de que, com esta carta, ele iria vencer. Foi por isso que ele deixou esta carta por último. Com um olhar descarado e um sorriso fingido, com um semblante malicioso, com uma gentileza falsa, como se quisesse ganhar tempo, ele jogou sua última carta: DESÂNIMO. 

Esta carta não é uma piada. Com ela, muitos perderam a paz no coração; com ela ele tentou a maioria dos grandes santos; com ela, ele até tentou enganar Jesus no Getsêmani e no Calvário. E com esta carta ele tentou também a mim.
Desanimado... diante do meu crescimento espiritual demasiado lento.
Desanimado... diante dos meus pecados que nunca consegui superar.
Desanimado... diante dos sofrimentos da vida.
Desanimado... quando minhas orações não são ouvidas.
Desanimado... diante da secura e do deserto pelos quais às vezes passo.
Senti que vou desistir. Senti já estar sem força alguma. Eu me senti sendo lançado ao chão, como um lutador de boxe deitado no ringue depois de levar um nocaute. 
Com o semblante em frangalhos, olhei para Jesus. E Ele me disse:
“Vinde a mim, vós todos que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviarei.” (Mt 11,28)
Imediatamente eu peguei minha carta e joguei diante de Satanás:
JESUS!

Diante da minha carta – JESUS – Satanás fugiu. A perda dele era irreparável. Eu fui maluco... eu arrisquei... Mas venci.
(Falamos a respeito do diabo, não para dar alguma importância a ele, mas para mostrar o poder de Cristo, que foi vitorioso sobre ele e o humilhou).”
Fonte: Livro “O Anticristo. Quem é e como age”. Frei Elias Vella. Editora Palavra & Prece. Páginas 200 a 203.

Um comentário:

Este BLOG foi útil para você? Deixe seu testemunho! Sua opinião é muito importante para nós.