terça-feira, 3 de janeiro de 2017

O Santíssimo NOME de JESUS CRISTO, Nosso Senhor! - Ladainha!





“Dedicai-vos mutuamente a estima que se deve em Cristo Jesus. Sendo ele de condição divina, não se prevaleceu de sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-se aos homens. E, sendo exteriormente reconhecido como homem, humilhou-se ainda mais, tornando-se obediente até à morte, e morte de cruz. Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é o Senhor! (Filipenses 2, 5-11)

É em nome do Divino Salvador que a Igreja reza, cura os enfermos, evangeliza os povos, expulsa os demônios, enfim, realiza sua obra de salvação das almas.

E seu nome será: “Conselheiro Admirável”, “Deus Forte”, “Pai Eterno”, “Príncipe da Paz" (Isaías 9, 5).

Sim, quanto é maravilhoso, rico e simbólico este nome que, segundo o Profeta Isaías, significa "Deus conosco"! Como o Arcanjo Gabriel servindo de porta-voz do Altíssimo, declarou: "E Lhe porás o nome de Jesus"! (Lc 1,31).

Há uma misteriosa e insondável relação entre o nome de Jesus e o Verbo Encarnado, não sendo possível conceber outro que lhe seja mais apropriado. É o mais suave e santo dos nomes. Ele é um símbolo sacratíssimo do Filho de Deus, e sumamente eficaz para atrair sobre nós as graças e favores celestiais. O próprio Nosso Senhor prometeu: "Qualquer coisa que peçais a meu Pai em meu nome, Ele vo-la concederá" (Jo 14,13). 

Invoque este nome poderosíssimo! JESUS!...

A Santa Igreja, mãe próvida e solícita, concede indulgências a quem invocá-lo com reverência, inclusive põe à disposição de seus filhos a Ladainha do Santíssimo Nome de Jesus, incentivando-os a rezá-la com freqüência.

Ladainha do Santíssimo Nome de Jesus

Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.

Jesus Cristo, ouvi-nos.
Jesus Cristo, atendei-nos.

Pai Celeste, que sois Deus, tende piedade de nós.
Filho, Redentor do mundo, que sois Deus, tende piedade de nós.
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós.

Jesus, Filho do Deus vivo, tende piedade de nós.
Jesus, pureza da luz eterna, tende piedade de nós.
Jesus, Rei da glória, tende piedade de nós.
Jesus, sol de justiça, tende piedade de nós.
Jesus, Filho da Virgem Maria, tende piedade de nós.
Jesus amável, tende piedade de nós.
Jesus admirável, tende piedade de nós.
Jesus, Deus forte, tende piedade de nós.
Jesus poderosíssimo, tende piedade de nós.
Jesus pacientíssimo, tende piedade de nós.
Jesus obedientíssimo, tende piedade de nós.
Jesus, manso e humilde de coração, tende piedade de nós.
Jesus, amante da castidade, tende piedade de nós.

Jesus, nosso amado, tende piedade de nós.
Jesus, Deus da paz, tende piedade de nós.
Jesus, autor da vida, tende piedade de nós.
Jesus, exemplar das virtudes, tende piedade de nós.
Jesus, zelador das almas, tende piedade de nós.
Jesus, nosso Deus, tende piedade de nós.
Jesus, nosso refúgio, tende piedade de nós.
Jesus, Pai dos pobres, tende piedade de nós.
Jesus, tesouro dos fiéis, tende piedade de nós.
Jesus, boníssimo Pastor, tende piedade de nós.
Jesus, luz verdadeira, tende piedade de nós.
Jesus, sabedoria eterna, tende piedade de nós.
Jesus, bondade infinita, tende piedade de nós.
Jesus, nosso caminho e nossa vida, tende piedade de nós.
Jesus, alegria dos anjos, tende piedade de nós.
Jesus, Rei dos patriarcas, tende piedade de nós.
Jesus, Mestre dos apóstolos, tende piedade de nós.
Jesus, Doutor dos evangelistas, tende piedade de nós.
Jesus, fortaleza dos mártires, tende piedade de nós.
Jesus, luz dos confessores, tende piedade de nós.
Jesus, pureza das virgens, tende piedade de nós.
Jesus, coroa de todos os santos, tende piedade de nós.

Sede-nos propício, perdoai-nos, Jesus.
Sede-nos propício, ouvi-nos, Jesus.

De todo mal, livrai-nos, Jesus.
De todo o pecado, livrai-nos, Jesus.
De Vossa ira, livrai-nos, Jesus.
Das ciladas do demónio, livrai-nos, Jesus.
Do espírito da impureza, livrai-nos, Jesus.
Da morte má e eterna, livrai-nos, Jesus.
Do desprezo das Vossas inspirações, livrai-nos, Jesus.

Pelo mistério da Vossa Santa Encarnação, livrai-nos, Jesus.
Pela Vossa natividade, livrai-nos, Jesus.
Pela Vossa infância, livrai-nos, Jesus.
Pela Vossa Santíssima vida, livrai-nos, Jesus.
Pelos Vossos trabalhos, livrai-nos, Jesus.
Pela Vossa agonia e paixão, livrai-nos, Jesus.
Pela Vossa cruz e desamparo, livrai-nos, Jesus.
Pelas Vossas angústias, livrai-nos, Jesus.
Pela Vossa morte e sepultura, livrai-nos, Jesus.
Pela Vossa ressurreição, livrai-nos, Jesus.
Pela Vossa ascensão, livrai-nos, Jesus.
Pela Vossa instituição da Santíssima Eucaristia, livrai-nos, Jesus.
Pelas Vossas alegrias, livrai-nos, Jesus.
Pela Vossa glória, livrai-nos, Jesus.

Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo,
perdoai-nos, Jesus.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo,
ouvi-nos, Jesus.
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo,
tende piedade de nós, Jesus.

Jesus, ouvi-nos.
Jesus, atendei-nos.

Oremos:

Senhor Jesus Cristo, que dissestes: "Pedi e recebereis; buscai e achareis; batei e abrir-se-vos-á", nós Vos suplicamos que concedais a nós, que Vo-lo pedimos, os sentimentos afectivos do Vosso divino amor, a fim de que nós Vos amemos de todo o coração e que esse amor transcenda por nossas acções. Permiti que tenhamos sempre, Senhor, um igual temor e amor pelo Vosso Santo Nome, pois não deixais de governar aqueles que estabeleceis na firmeza do Vosso amor. Vós que viveis e reinais para todo o sempre. Amém


A origem


A Oração da Invocação do Nome de Jesus remonta aos primeiros tempos da Igreja e às práticas dos primeiros monges, sendo anterior até mesmo à prática do santo Rosário. Diadoco de Fotice1, já no século IV, escreveu: “O que não cessa de meditar, nas profundezas de seu coração, no Nome santo e glorioso de Jesus, poderá ver um dia a Luz em seu espírito”.

A origem da prática, porém, é muito mais antiga. Sua fonte primária está nos Evangelhos, em pelo menos três passagens:

A primeira, a súplica do cego de Jericó, que gritava com insistência: “Jesus, Filho de Davi, tem piedade de mim!” (10, 46-52). Pela sua fé foi curado e então "seguiu Jesus pelo caminho".

A segunda, o clamor dos dez leprosos nas terras de Samaria: “Jesus, Mestre, tem piedade de nós!” (Lc 17,11-14), e todos eles foram curados, graças à sua fé no clamor pelo Nome do Senhor.

A terceira, o exemplo do humilde publicano, que no Templo batia no peito e repetia: “Ó Deus, tem piedade de mim, pecador!”... E Jesus declara que este voltou para casa justificado, pois “todo aquele que se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado” (Mc 10,47 / Lc 17,11-14;18-13).
A invocação contínua do Nome de Jesus é, então, biblicamente, das mais perfeitas práticas de oração para se buscar a Comunhão com nosso Senhor e a sua Misericórdia, quando feita com um espírito cheio de amor, fé, devoção, doçura e esperança. A persistência nesta prática piedosa faz com que o coração do devoto transborde de bem-aventurança, até chegar à completa serenidade. Nos momentos de angústia ou necessidade, o pensamento do devoto deve invocar várias e várias vezes o Nome de Jesus, seu Deus amado, que se torna Luz e Calor do conhecimento de Deus que dissipa as trevas da alma. Também em nossas realizações devemos nos lembrar de invocar o Santo Nome do Senhor com espírito de gratidão e alegria, compartilhando com o Doador de todos os dons e todas as graças a nossa felicidade.
Como fica claro, a oração do Nome de Jesus é semelhante à oração do Rosário à Santíssima Virgem Maria, em sua origem e nos seu objetivos: ambas as práticas têm raízes nos meios monásticos; em ambas imploramos aquilo de que realmente necessitamos, mesmo que não saibamos, pois podemos desconhecer aquilo de que precisamos; em ambas utilizamos palavras da Escritura; ambas são orações para todos, que produzem tranquilidade e, com o tempo e a perseverança, a paz duradoura e a restauração da vida.
Como rezar:

"Senhor Jesus Cristo, Filho do Deus Vivo, tende piedade de mim, pecador!" Simplesmente repita algumas vezes esta simplérrima fórmula, tantas vezes quantas o seu coração pedir, enquanto não cansar, com amor, serenidade e devoção. Se você realmente necessitar de alguma graça, mentalize-a entre as invocações, ou, se preferir, vocalize o seu pedido, crendo firmemente que será atendido. Mantenha a consciência, porém, de que se não for atendido, será sempre o melhor, pois tudo nos é dado segundo a Vontade do Pai para o nosso bem, e de todo mal Deus tira um bem maior. Muitas vezes fazemos pedidos que, se fossem atendidos, mais nos prejudicariam do que ajudariam.

A Oração de Jesus é de uma maravilhosa versatilidade: apesar de ser ideal para iniciantes, ao mesmo tempo conduz aos mais profundos mistérios da vida contemplativa. Pode ser usada por qualquer um, a qualquer momento, em qualquer lugar: nas salas de espera, nas filas, andando, viajando, no trabalho, quando não se consegue dormir à noite ou em momentos de especial ansiedade, quando é impossível concentrar-se em outros tipos de oração. Ajusta-se perfeitamente ao conselho evangélico de orar incessantemente. É o caminho mais simples da oração contínua. Repetida várias vezes por um coração humildemente atento, ela não se dispersa numa torrente de palavras (Mt 6,7), mas conserva a Palavra e produz fruto pela perseverança.

Porém, enquanto todo cristão pode, naturalmente, recitar a Oração de Jesus de forma ocasional, outra situação é recitá-la continuamente. Para alguns, chega uma hora em que a Oração de Jesus "entra no coração", de uma certa maneira que deixa de ser recitada por um esforço deliberado, mas espontaneamente, continuando mesmo quando a pessoa fala ou escreve, ficando presente nos seus sonhos, acordando-a de manhã. Nas palavras de Santo Isaac, o Sírio: "Quando o Espírito de Deus faz morada num homem, ele não cessa de rezar, porque o Espírito (Santo) vai rezar constantemente nele. Então, nem quando ele dorme nem quando está acordado, a oração será tirada de sua alma; mas, quando ele come e quando bebe, quando se deita ou quando faz qualquer trabalho, mesmo quando está em profundo sono, os perfumes da oração exalarão do seu coração espontaneamente" ('Tratados Místicos', ed. Wensinek, p.174).

Os ortodoxos acreditam que o Poder de Deus está presente no Nome de Jesus, de forma que a invocação ao divino Nome atua "como um sinal efetivo da Ação de Deus, como uma espécie de Sacramento" ('Un Moine de l'Église d'Orient, La Priére de Jésus', Chevetogne, 1952, p. 87).

Tanto aqueles que a recitam continuamente quanto os que a recitam ocasionalmente têm, na Oração de Jesus, uma grande fonte de segurança e júbilo. Citando o Peregrino russo:

E é assim que eu ando agora e, incessantemente, repito a Oração de Jesus, que é para mim mais doce e preciosa do que qualquer outra coisa no mundo. Às vezes, eu ando até 43 ou 44 milhas num dia e nem sinto que estou caminhando. Tenho consciência apenas de estar recitando minha oração. Quando o frio intenso me penetra, começo a recitar minha oração com mais intensidade e, rapidamente, me aqueço todo. Quando a fome começa a me perturbar, chamo mais frequentemente o Nome de Jesus e esqueço minha vontade de comer. Quando fico doente e o reumatismo ataca minhas costas e pernas, eu fixo meus pensamentos na oração e não sinto a dor. Se alguém me faz mal, tenho apenas que pensar: 'como é doce a Oração de Jesus', e tanto o ferimento quanto a raiva passam e esqueço tudo... Agradeço a Deus porque agora compreendo o significado destas palavras ouvidas na Epístola: 'Rezai sem cessar' (1Ts 5, 17). ('O Caminho do Peregrino', p.17-18)

Jesus ensinou: “A boca fala do que o coração está cheio” (Mt 12,34). Na história da espiritualidade, encontramos santos que não se cansavam de repetir o Nome de Jesus, para manter no coração, continuamente, a Presença do Bem-Amado Salvador. Podemos e devemos rezar em todos os lugares e situações, pois ninguém poderá nos impedir de pensar em Jesus. E quem ama o Filho de Deus, torna-se mensageiro desse Amor em todos os lugares, sempre.

___________
1.  RIGGI C. Diadoco de Fótice en Di Berardino, Angelo, Diccionario Patrístico y la Antigüedad Cristiana, Tomo I, 2ª Ed. Verdad e Imagen, Salamanca, 1991.

Fontes e ref. bibliográfica:

A Invocação do Nome de Jesus [um Monge da Igreja Oriental], 8ª ed. São Paulo: Paulus, 2008.
• SCIADINI, Patrício, OCD. Catecismo da Oração, 2ª ed. São Paulo:Loyola, 2002.
• O «'Rosário' Ortodoxo, a Oração de Jesus», artigo do Bispo Kallistos Ware, em [ecclesia.com.br/biblioteca/espiritualidade/o_rosario_ortodoxo_kalistos_ware.html], acesso 7/7/015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este BLOG foi útil para você? Deixe seu testemunho! Sua opinião é muito importante para nós.