domingo, 8 de maio de 2016

“Mulher, eis aí o teu filho; (...) “Eis aí tua mãe” (Jo 19, 25-27)



“Mulher, eis aí o teu filho; (...) “Eis aí tua mãe” (Jo 19, 25-27)

Certa vez os fariseus e saduceus foram até João, o Batista. Cheio do Espírito Santo desde o ventre materno, João os reconheceu rapidamente, e percebeu que eles não tinham contrição alguma, que não queriam arrepender-se de seus pecados e tampouco converter-se da vida injusta que levavam.
Ao desmascará-los, João falou em alta voz:
 “Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da cólera vindoura? Dai, pois, frutos de verdadeira penitência. Não digais dentro de vós: Nós temos a Abraão por pai! Pois eu vos digo: Deus é poderoso para suscitar dessas pedras filhos de Abraão.” (Mateus 3, 7-9)
Você observou bem a parte que eu grifei acima? Que Deus tem poder para fazer nascer das pedras filhos de Abraão. A repreensão era em virtude que os fariseus e saduceus achavam que, por terem a descendência de Abraão, não precisariam conversão e que eram completamente justos, vivendo, no entanto, uma vida pecaminosa e cheia de maldades.
Com efeito, não basta ser filho de Abraão, é preciso viver uma vida agradável e obediente a Deus.
Mas o que eu quero falar é sobre a parte que eu grifei, de que Deus pode fazer surgir das pedras filhos de Abraão, pois a Deus coisa alguma é impossível. O mesmo Deus que pode fazer nascer das pedras filhos de Abraão também pode fazer com que as pedras falem quando os profetas se calam ou são calados.
Agora convido você a meditar a dolorosíssima crucificação de Jesus, no exato momento em que Jesus, em ato de última vontade, confiou Maria como Mãe a João e confiou João como filho de Maria, ao que João levou a Santíssima Mãe do Senhor para sua casa, lembrando que a casa do apóstolo é a Igreja.
Mas lembre, as palavras muitas vezes são insuficientes para retratar um momento, especialmente os sentimentos e as dores do coração. É lógico que Jesus deu Maria por Mãe de João Evangelista e que João naquele momento representava todos os cristãos - os nascidos e os que ainda iriam nascer -, o que significa dizer que em João Evangelista, por obra, graça, milagre e amor extremo de Jesus Cristo, todos nos tornamos filhos de Maria Santíssima.
A Beata Anna Catharina Emmerich, ao testemunhar esse acontecimento em suas maravilhosas visões e revelações particulares, acrescentou o que Jesus sentiu em seu Sacratíssimo Coração quando deu Maria por Mãe de João e de todos nós.
Vejamos um trecho do livro Vida, Paixão e Glorificação do Cordeiro de Deus, ocasião em que a Beata Anna Catharina narrou detalhadamente esse momento:
“A Mãe de Jesus, Madalena, Maria de Cléofas, Maria Helí e João estavam entre as cruzes dos ladrões, em redor da cruz de Jesus, olhando para Nosso Senhor. A Santíssima Virgem, em seu amor de mãe, suplicava interiormente a Jesus que a deixasse morrer com Ele. Então olhou o Senhor com inefável ternura para a Mãe querida e, volvendo os olhos para João, disse a Maria: ‘Mulher, eis aí o teu filho: será mais teu filho do que se tivesse nascido de ti.’ (...) Não sei se Jesus pronunciou alto todas essas palavras; percebi-as interiormente, quando, antes de morrer, entregou Maria Santíssima, como Mãe, ao Apóstolo querido e este, como filho, a sua Mãe. Em tais contemplações se percebem muitas coisas, que não foram escritas; é pouco apenas o que pode exprimir a língua humana.” (páginas 308-9)

Você percebeu bem? Se Deus pode fazer nascer das pedras filhos de Abraão, muito mais poderá fazer de nós filhos de Maria Santíssima, mais do que se tivéssemos, fisicamente, saído e nascido dela. Isso quer dizer que, por obra, milagre e graça de Jesus Cristo, Nosso Senhor, em ato extremo de amor e última vontade, nós fomos constituídos filhos da Santíssima Virgem Maria, mais do que se tivéssemos a sua carne e o seu sangue.
Veja bem, querido (a) leitor (a), que uma pessoa descende de outra segunda a carne e a natureza. Isso quer dizer que o nascimento decorre unicamente de uma consequência natural, muitas vezes sequer desejada pelos pais. Todavia, o nosso nascimento e nossa filiação em Maria Santíssima não decorre de uma consequência da natureza ou da vontade do homem, mas de milagre extraordinário, da vontade e da insondável misericórdia de Jesus Cristo, o nosso Senhor e nosso Deus.

Portanto, se somos filhos de Maria, e isso é uma verdade cuja afirmação é cada vez mais necessária, nós o somos não simbolicamente, mas, por graça de Deus, mais do que se naturalmente tivéssemos nascido de Maria.

 
Por isso, saiba! Maria é nossa Mãe, mais do que se tivéssemos saído dela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este BLOG foi útil para você? Deixe seu testemunho! Sua opinião é muito importante para nós.