sábado, 23 de agosto de 2014

Gratiarum Actionem Deo [Oração de agradecimento a Deus. Jesus. Eucaristia. Corpo e Sangue. Hóstia. Cálice. Cibório]


Meu coração se enche de gratidão,
Pela Sua presença real em mim.
O meu ser exulta,
Porque desce à minha morada
Aquele que é, se sempre será.
Como não me tornar repleto em agradecimento?
Como não exultar em ação de graças?
Minha singela manjedoura não está vazia,
Não!... Está repleta, pois nela repousa o Senhor,
O Deus vivo e Verdadeiro.


Que tão grande mistério!...
Nada pode contÊ-lo,
Mas Ele, por vontade própria, se aprisiona,
No ditoso cibório, na espécie do Pão e nos corações.
Ah!... Se soubesses tu quem se enclausura no Sacrário!...
Ah!... Se soubesses quem é o Senhor no cárcere!...
Por certo deixarias tua tibieza,
E não ousarias aproximar-se com as mãos impuras.
E prepararias com desvelo o coração para recebê-Lo.


O adorável prisioneiro desce aos corações,
Como o detento que desce sorrindo de um calabouço a outro.
De modo inexplicável,
O ditoso claustro de nossas entranhas é aprazível,
E em nosso coração se deleita Aquele é o deleite dos santos no Céu.




Não deixes de acolher com extrema reverência este Hóspede,
Que se fez tudo em todos,
Mas que tão pouca acolhida encontra nos corações.
Não sejas tu assim,
Como aqueles que vendo não veem e ouvindo não ouvem.
Enche-te, pois, de gratidão e ação de graças,
Porque é poderoso Aquele que fez maravilhas em teu favor,
E Ele quer reinar em teu coração,
Quer descer ao mais profundo da tua alma,
Para, ditosamente, realizar a maravilha das maravilhas da graça,
Fazer viva Sua presença em Ti,
E ainda mais viva a tua presença n’Ele.
(Marcos Suzin, 23-08-2014)
  





segunda-feira, 18 de agosto de 2014

A Arca da Nova Aliança

A Arca da Nova Aliança. 

Os antigos fizeram uma arca;
E nesta arca guardaram a Lei escrita na pedra;
Essa arca, porém, perdeu-se.
E ninguém sabe seu paradeiro.

Mas estabeleceu-se uma Nova Aliança;
E uma nova Lei, desta vez escrita nos corações;
E esta arca nunca se perdeu;
Pois nela foi depositado o Verbo,
E o Verbo é Luz,
E quem segue a Luz não andará nas trevas.

E a arca na Nova Aliança não foi feita por mãos humanas,
Muito embora humana a seja em toda sua plenitude.
Afinal, precisava ser humana,
Para que humano fosse o Verbo que se encerrou na Arca.

Em tudo a Arca foi humana, à exceção da mácula original.
E dignificada, para encerrar em si a Palavra Viva que desceu do Céu,
Não só recebeu em si a Palavra, mas espalhou-a até os confins da terra.
Para que todos saibam, que a Palavra é vida,
A vida que nasce do amor e se torna vida eterna.
(Marcos Suzin)

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Mãos Sacerdotais (Homenagem para o Dia do Padre)



Mãos ungidas para consagrar;
Mãos que se unem para adorar;
Mãos impostas para abençoar;
Mãos nas quais repousa Cristo Senhor,
Quando desce do Céu todos os dias, no Sacramento de Amor.

Mãos ungidas para perdoar;
Mãos estendidas para amparar;
Mãos cerradas para defender a vida;
Mãos que acolhem a ovelha perdida,
E que anunciam a Boa Nova da Compaixão.

Mãos ungidas para celebrar,
Com dignidade, tão grandes mistérios.
Entre todos os ministérios, qual se pode comparar?
Mãos ungidas para consagrar,
E anunciar o ano da graça e da libertação,
A todos os povos e todas as gentes;
Mãos ungidas para consagrar.

Mãos ungidas para a última hora;
Mãos que se estendem sem demora,
Nas duras horas de aflição.
Mãos que se põe à cabeceira,
Para na hora derradeira, anunciar com autoridade,
A misericórdia de Deus e sua infinita bondade.
(Marcos Suzin)