quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Recomeçar do Início [Padre Raniero Cantalamessa - A Importância dos Leigos na Missão Continental]

 Padre Raniero Cantalamessa

"Na  sexta-feira, dia 23 de dezembro, o Padre Raniero Cantalamessa fez sua quarta e última pregação para o Advento de 2011. Acompanhemos a seguir.
***

1. Um novo destinatário do anúncio

“Prope est iam Dominus: venite, adoremus”: O Senhor está próximo: venham, adoremos. Começamos essa meditação, como inicia a liturgia das horas nestes dias antes do Natal, para que também essa faça parte de nossa preparação para a solenidade..
Terminemos hoje as nossas reflexões sobre a evangelização.Tentei reconstruir, nas meditações anteriores, três grandes ondas de evangelização na história da Igreja. Certamente poderíamos ter lembrado de outros grandes empreendimentos missionários, como o que começou São Francisco Xavier no século XVI no Oriente - Índia, China e Japão – como também a evangelização do continente Africano no século XIX pelas mãos de Daniel Comboni, do cardeal Guglielmo Massaia e de tantos outros. No entanto, há uma razão pela escolha feita, que eu espero que tenha podido transparecer das reflexões realizadas.
Aquilo que muda e que distingue as várias ondas evangelizadoras lembradas, não é o objeto do anúncio - "a fé, transmitida aos santos uma vez por todas", como é chamada pela Carta de Judas -, mas os destinatários da mesma, respectivamente o mundo greco-romano, o mundo bárbaro e o novo mundo, ou seja, o continente americano.
Então nos perguntamos: quem é o novo destinatário, que nos permite falar da atual evangelização de hoje, da quarta onda de nova evangelização? A resposta é: o mundo ocidental secularizado e, em alguns aspectos, pós-cristão. Esta especificação que já aparecia nos documentos do Beato João Paulo II, tornou-se explícita no ensinamento do Santo Padre Bento XVI. No Motu Proprio com o qual ele criou o "Pontifício Conselho para a Promoção da nova evangelização", ele fala de "muitos países de antiga tradição cristã, que se tornaram refratários à mensagem do Evangelho (Bento XVI, Motu Proprio “Ubicunque et semper”).

No Advento do ano passado tentei caracterizar este novo destinatário do anúncio, resumindo-o em três pontos: cientificismo, secularismo e racionalismo. Três tendências que levam a um resultado comum, o relativismo.

E juntamente com a aparição no cenário de um novo mundo para evangelizar, vimos cada vez o surgimento de uma nova categoria de anunciadores: os bispos, nos primeiros três séculos (sobretudo no III), os monges na segunda onda e os frades na terceira. Também hoje testemunhamos o surgimento de uma nova categoria de protagonistas da evangelização: os leigos. Não se trata evidentemente da substituição de uma categoria pela outra, mas de uma nova parcela do Povo de Deus que se acrescenta às outras, permanecendo sempre os bispos, encabeçados pelo Papa, os guias oficiais e os responsáveis últimos pela tarefa missionária da Igreja.

2. Como o rastro deixado por um grande navio:
Eu disse que ao longo dos séculos mudaram os destinatários do anúncio, mas não o anúncio em si. Porém, devo esclarecer esta última afirmação. É verdade que não pode mudar a essência do anúncio, mas pode e deve mudar a maneira de apresentá-lo, as prioridades, a partir de que ponto começar o anúncio.

Resumimos os progressos realizados pelo anúncio do Evangelho para chegar até nós. Há, antes de tudo, o anúncio feito por Jesus que tem por objeto central a notícia: "Já chegou a vós o Reino de Deus”. Depois desta fase única e irrepetível, que chamamos de "o tempo de Jesus", acontece, depois da Páscoa, "o tempo da Igreja". Nesse, Jesus não é mais o anunciador, mas o anunciado; a palavra "Evangelho" não significa mais "a boa nova de Jesus", mas a boa nova sobre Jesus, ou seja, que tem por objeto a Jesus e, em particular , sua morte e ressurreição. Isto é o que São Paulo entende sempre com a palavra "Evangelho".

É necessário, porém, estar atentos para não separar muito os dois tempos e os dois anúncios, aquele de Jesus e aquele da Igreja, ou, como se costuma dizer faz tempo, o “Jesus histórico” do “Cristo da fé”. Jesus não é somente o objeto do anúncio da Igreja, a coisa anunciada. Ai do reduzir apenas a isso! Seria esquecer a ressurreição. No anúncio da Igreja é o Cristo ressucitado que, com o seu Espírito, ainda fala; ele é também o sujeito que anuncia. Como diz um texto do Concílio: "Cristo está presente na sua palavra, pois é Ele quem fala quando lemos as Escrituras na Igreja." (Sacrosanctum concilium, n. 7).

Partindo do anúncio inicial da Igreja, o kerygma, podemos resumir com uma imagem o desenvolver-se sucessivo da pregação da Igreja. Pensemos no rastro deixado por um navio. Começa com uma ponta, que é a ponta do navio, mas vai se espalhando sempre mais, até perder-se no horizonte e tocar as duas margens opostas do mar. É o que aconteceu com o anúncio da Igreja; começou com uma ponta: o kerygma "Cristo morreu pelos nossos pecados e ressuscitou para nossa justificação" (cf. Rm 4, 25, 1 Cor 15,1-3 ); de modo ainda mais significativo e sintético: "Jesus é o Senhor" (Atos 2, 36; Rm 10,9).

Uma primeira expansão deste ponto ocorreu com o nascimento dos quatro evangelhos, escritos para explicar aquele núcleo inicial, e com o resto do Novo Testamento; depois disso veio a tradição da Igreja, com seu ensinamento, a sua teologia, as suas instituições, as suas leis, a sua espiritualidade. O resultado final é uma imensa riqueza que nos faz imaginar precisamente o rastro do navio na sua expansão máxima.

Por tanto, neste ponto, caso queiramos reevangelizar o mundo secularizado, faz-se necessário uma escolha. Por onde começar? A partir de qualquer ponto do rastro deixado, ou pela ponta? A imensa riqueza de doutrina e de instituições podem se tornar uma desvantagem se queremos apresentar-nos assim ao homem que perdeu todo o contato com a Igreja e já não sabe quem é Jesus. Seria como colocar uma daquelas enormes e pesadas capas pluviais de brocado em cima de uma criança.

É necessário ajudar este homem a estabelecer uma relação com Jesus; fazer com ele o que Pedro fez no dia de Pentecostes com as três mil pessoas presentes: falar-lhes do Jesus que nós crucificamos e que Deus ressuscitou, levá-lo ao ponto no qual também ele, tocado no coração, peça: "O que devemos fazer, irmãos?" e nós responderemos, como disse Pedro: "Arrependei-vos, recebam o  batismo, se ainda não o receberam, ou confessem-se se já são batizados”.

Aqueles que responderão ao anúncio se unirão, também hoje, como então, à comunidade dos crentes, escutarão o ensinamento dos apóstolos e tomarão parte na fração do pão; segundo o chamado e a resposta de cada um, poderão fazer próprio, aos poucos, todo este imenso patrimônio nascido do Kerygma. Nâo se aceita Jesus por causa da palavra da Igreja, mas se aceita a Igreja por causa da palavra de Jesus.

Temos um aliado neste esforço: o fracasso de todas as tentativas do mundo secular para substituir o Kerygma cristão por outros "gritos" e outros "slogans". Costumo usar o exemplo da famosa pintura do pintor norueguês Edvard Munch, intitulada "O Grito". Um homem encima duma ponte, sobre um fundo avermelhado, com as mãos ao redor de sua boca escancarada, emite um grito que, entende-se imediatamente, é um grito de angústia, um grito vazio, sem palavras, só o som. Parece-me a descrição mais eficaz da situação do homem moderno que, tendo esquecido o grito cheio de conteúdo que é o kerygma, se vê obrigado a gritar ao vazio da própria angústia existencial. Se, como alguém disse, "Deus é a direção à qual o homem lança seu próprio grito", então "O Grito" de Munch é, a seu modo, uma oração.

3. Cristo, nosso contemporâneo:

Agora, deixe-me tentar explicar por que é possível, no Cristianismo, recomeçar, a qualquer momento, da ponta do navio, sem que isto seja um fingimento mental, ou uma simples tarefa de arqueologia. A razão é simples: aquele navio ainda navega o mar e o rastro deixado ainda começa por uma ponta!

Há um ponto onde eu não concordo com o filósofo Kierkegaard, que também disse coisas maravilhosas sobre a fé e sobre Jesus. Um dos seus temas favoritos é aquele da contemporaneidade de Cristo. Mas ele concebe tal contemporaneidade como um tornar-nos um contemporâneio de Cristo. "Aquele que crê em Cristo - escreve - é obrigado a fazer-se um contemporâneo seu no rebaixamento." (S. Kierkegaard, Exercício do cristianismo, I, E,  in Opere, aos cuidades de C. Fabro, Florença 1972, p. 708) A idéia é que para acreditar realmente, com a mesma fé exigida aos apóstolos, é necessário prescindir dos dois mil anos de história e de confirmações sobre Cristo e colocar-se no lugar daqueles a quem Jesus dirigia sua palavra: "Vinde a mim, vós todos que estais cansados ​​e sobrecarregados e eu vos aliviarei "(Mateus 11, 28). Logo ele, um homem que não tinha uma pedra onde repousar a cabeça!

A verdadeira contemporaneidade de Cristo é outra coisa: é ele que se faz nosso contemporâneo, porque, tendo ressuscitado, vive no Espírito e na Igreja. Se nós nos fôssemos fazer contemporâneos de Cristo, seria uma contemporaneidade só intencional; mas, se é Cristo que se faz contemporâneio nosso, então é uma contemporaneidade real. De acordo com um pensamento arrojado da espiritualidade ortodoxa, "a anamnese é uma lembrança alegre que torna o passado ainda mais presente do que quando foi vivido."Não é um exagero. Na celebração litúrgica da Missa, o evento da morte e ressurreição de Cristo se torna mais real para mim do que era na verdade para aqueles que testemunharam materialmente o evento, porque então havia uma presença "segundo a carne", agora se trata de uma presença "segundo o Espírito".

O mesmo quando se proclama com fé: "Cristo morreu pelos meus pecados, ressuscitou para a minha justificação, ele é o Senhor". Um autor do século IV escreve: "Para cada homem, o princípio da vida é aquele, a partir do qual Cristo foi imolado por ele. Mas Cristo foi imolado por ele no momento em que ele reconhece a graça e se torna consciente da vida que lhe foi dada daquela imolação".( Homilia pasqual do ano 387 , SCh 36, p. 59 s.).

Percebo que não é fácil e talvez nem mesmo possível dizer essas coisas para as pessoas, muito menos ao mundo secularizado de hoje; mas é o que nós, evangelizadores, temos que ter bem claro para tirar coragem disso e crer na palavra do evangelista João que diz: "Aquele que está em vocês é mais forte do que aquele que está no mundo" (1 Jo 4, 4).

4. Os leigos, protagonistas da evangelização:

Dizia no início que, do ponto de vista dos protagonistas, a novidade, na atual fase da evangelização, são os leigos. Do seu papel na evangelização trataram o concílio na "Apostolicam Actuositatem", Paulo VI na "Evangelii Nuntiandi", João Paulo II na "Christifideles laici.".

As premissas desta chamada universal à missão já estão no Evangelho. Após o primeiro envio dos apóstolos em missão, Jesus, lê-se no Evangelho de Lucas, "designou outros setenta e dois, e os enviou dois a dois à sua frente a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir" (Lc 10, 1). Esses setenta e dois discípulos  foram provavelmente todos aqueles que ele tinha reunido até aquele momento, ou ao menos todos aqueles que estavam dispostos a comprometer-se seriamente por ele. Jesus, portanto, envia todos os seus discípulos.

Conheci um leigo dos Estados Unidos, pai de família, que, ao lado da sua profissão, desempenha também uma evangelização intensa. É um sujeito bem-humorado e que evangeliza ao som de estrondosas gargalhadas, como só os americanos sabem fazer. Quando ele vai para um lugar novo, começa dizendo muito sério: "Dois mil e quinhentos bispos, reunidos no Vaticano, pediram-me para vir e anunciar-vos o evangelho". As pessoas ficam naturalmente curiosas. Ele então explica que os 2.500 bispos são aqueles que participaram no Concílio Vaticano II e escreveram o decreto sobre o apostolado dos leigos (Apostolicam Actuositatem), que convida todos os leigos cristãos a participarem na missão evangelizadora da Igreja. E estava absolutamente certo de dizer "me pediram." Essas palavras não são faladas ao vento, para todos e para ninguém; são dirigidas pessoalmente a cada leigo católico.

Hoje conhecemos a energia nuclear que se libera da "fissão" do átomo. Um átomo de urânio é bombardeado e "partido" em dois pelo impacto de uma partícula chamada nêutron, liberando energia neste processo. Começa daí uma reação em cadeia. Os dois novos elementos "fissionam", ou seja, partem-se por sua vez, dois outros átomos, estes outros quatro, e assim por bilhões de átomos, de modo que a energia "liberada" no final, é imensa. E não necessariamente energia destrutiva, porque a energia nuclear também pode ser usada para fins pacíficos, em favor do homem.

Neste sentido, podemos dizer que os leigos são um tipo de energia nuclear da Igreja no plano espiritual. Um leigo alcançado pelo Evangelho, vivendo ao lado de outros, pode "contagiar" outros dois, estes, outros quatro, e como os leigos cristãos não são só algumas dezenas de milhares como o clero, mas centenas de milhões, eles podem realmente desempenhar um papel decisivo na difusão, no mundo, da luz benéfica do Evangelho.

Do apostolado dos leigos não se começou a falar somente com o Concílio Vaticano II. Já se falava há tempo. O que, no entanto, o concílio contribuiu foi o título com o qual os leigos contribuem no apostalado da hierarquia. Eles não são meros colaboradores chamados a dar o seu contributo profissional, o seu tempo e os seus recursos; são portadores de carismas, com os quais, diz a Lumen Gentium, estão aptos e prontos para assumirem obras e ofícios, úteis na renovação e à maior expansão da Igreja". (L.G., 12).

Jesus quis que seus apóstolos fossem  pastores de ovelhas e pescadores de homens. Para nós, do clero, é mais fácil ser pastores que pescadores; ou seja, alimentar com a palavra e com os sacramentos aqueles que veem à Igreja, e não ir em busca dos que estão distantes, nos ambientes mais diferentes da vida. A parábola da ovelha perdida se inverteu hoje em dia: noventa e nove ovelhas se distanciaram e uma só permaneceu no redil. O perigo que temos é de passarmos todo o tempo alimentando esta única que permaneceu e de não ter tempo, até mesmo pela falta de clero, para ir em busca das perdidas. Nisso a contribuição dos leigos se faz providencial.

A realização mais avançada neste sentido são os movimentos eclesiais. A sua contribuição específica para a evangelização é de oferecer aos adultos uma oportunidade de redescobrir o seu batismo e se tornarem membros ativos e engajados da Igreja. Muitas conversões de adultos e a volta à prática religiosa de “cristãos de nome” acontecem hoje dentro desses movimentos. Um dos propósitos do Congresso sobre a evangelização, ocorrido no passado mês de Outubro, foi justamente, eu acho, aquele de coletar as várias e originais formas de evangelização experimentadas por eles.

Recentemente, o Santo Padre Bento XVI voltou sobre a importância da família em vista da evangelização, falando de um "protagonismo" das famílias cristãs neste campo. "Como estão relacionados o eclipse de Deus e a crise da família, dizia, assim a nova evangelização é inseparável da família cristã". (Bento XVI, discurso à Plenária do Pontifício Conselho para a família, no “L’Osservatore Romano”, 2 Dezembro, p.8.).

Comentando o texto de Lucas, onde se diz que Jesus "designou outros setenta e dois e os enviou dois a dois à sua frente a cada cidade e lugar aonde ele próprio devia ir " (Lc 10, 1), São Gregório Magno escreve que os envia dois a dois , “porque menos que entre dois não pode haver amor", e o amor é aquilo pelo qual os homens poderão reconhecer que somos discípulos de Cristo. Isso se aplica a todos, mas de uma maneira especial para dois: pai e mãe. Se eles já não podem fazer nada mais para ajudar seus filhos na fé, já fariam muito se, olhando para eles, seus filhos pudessem dizer entre si: “Vejam como papai e mamãe se amam ". "O amor é de Deus", diz a Escritura (1 Jo 4, 7) e isso explica por que onde quer que haja um pouco de amor "verdadeiro, ali, Deus é sempre anunciado.

A primeira evangelização começa dentro das paredes de casa. A um jovem que lhe perguntava o que deveria fazer para ser salvo, Jesus dizia: "Vai, vende o que tens e dá aos pobres ..., depois vem e segue-me" (Mc 10, 21); mas a outro jovem que queria deixar tudo e segui-lo, não o permitiu, mas lhe disse: "Vai para tua casa e para os teus e anuncia-lhes tudo o que fez por ti o Senhor na sua misericórdia” (Mc 5, 19).

Há um famoso canto espiritual negro intitulado "There is a balm in Gilead” "Há um bálsamo em Gilead" Algumas das suas palavras podem incentivar os leigos, e não somente eles, na tarefa da evangelização de pessoa a pessoa, de porta em porta. Diz:
 "If you cannot preach like Peter, if you cannot preach like Paul, go home and tell your neighbor that Jesus died for all”.
 "Se você não sabe pregar como Pedro, se você não sabe pregar como Paulo, vai para tua casa" e diga "a seus vizinhos: Jesus morreu por nós!"

Daqui a dois dias é Natal. É reconfortante para os irmãos leigos lembrar que ao redor da manjedoura de Jesus, além de Maria e José, estavam os seus representantes, os pastores e os magos.

O Natal no leva de volta à ponta da ponta do rastro do navio, porque tudo começou a partir daí, daquela criança na manjedoura. Na liturgia escutaremos proclamar "Hodie Christus Natus est, hodie Salvator apparuit”, "Hoje Cristo nasceu, hoje o Salvador apareceu". Ouvindo-os, repensamos aquilo que dissemos da anamnese que torna o evento mais presente do que quando aconteceu pela primeira vez". Sim, Cristo nasce hoje, porque ele realmente nasce para mim no momento que reconheço e creio no mistério. "O que me aproveita que Cristo tenha nascido uma vez em Belém, se não nascer de novo pela fé em meu coração?" São palavras pronunciadas por Orígenes e repetidas por Santo Agostinho e São Bernardo. (Orígenes, Comentário ao Evangelho de Lucas, 22,3 (SCh. 87, p. 302).

Façamos nossa a invocação escolhida pelo nosso Santo Padre para os seus votos natalícios desse ano e repitamos com todo o anseio do coração:  fazemos nossa a invocação próprios escolhidos pelo nosso Santo Padre para o seu cartão de Natal deste ano e repeti-lo com todo o anseio do coração: “Veni ad salvandum nos”, Vem, Senhor, e salva-nos!"

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Orações de Cura e Libertação [contra males de todo gênero]




Em nome de minha família, eu (diga o seu nome) rejeito toda influência má que me foi transferida hereditariamente. Eu quebro todos os pactos, alianças de sangue, todos os acordos com o demônio, em nome de Jesus Cristo.
(Repetir três vezes.)
Coloco o Sangue de Jesus e a cruz de Jesus entre cada geração de minha família. E em nome de Jesus eu amarro todos os espíritos de hereditariedade má de nossas gerações e ordeno que saiam, emnome de Jesus Cristo.
(Repetir três vezes.)
Pai, em nome de minha família, eu Vos peço perdão por todos os pecados do espírito, por todos os pecados da mente e por todos os pecados do corpo. Peço o perdão para todos os meus ancestrais. Peço o Vosso perdão por todos aqueles eles magoaram de alguma forma e aceito, em nome de meus ancestrais, o perdão daquele que os magoaram.
Pai celestial, pelo Sangue de Jesus, hoje peço que leveis à luz do céu todos os meus parentes mortos. Eu agradeço, Pai celestial, por todos os meus parentes e ancestrais que Vos amaram e Vos adoraram e transmitiram a fé aos seus descendentes.
Obrigado, Pai! Obrigado, Jesus! Obrigado, Espírito Santo! Amém.
(Rezar: Pai-Nosso, Ave-Maria, Glória.)


Espírito Santo, Espírito de Deus Pai, Filho e Espírito Santo, Santíssima Trindade; Virgem imaculada, anjos e arcanjos e santos do paraíso, descei sobre mim.
Fortalecei-me, Senhor, formai-me, enchei-me de Vós e servi-Vos de mim. Expulsai de mim todas as forças do mal, aniquilai-as, destruí-as, para eu fique bem e possa praticar o bem. Afastai de mim os malefícios, a bruxaria, a magia negra, as missas negras, os feitiços, as amarrações, as maldições, os maus-olhados, a infestação diabólica, a possessão diabólica, a obsessão diabólica; tudo o que é mal, pecado, ódio, inveja e perfídia; a doença física, psíquica, moral, espiritual e diabólica. Queimai todos esses males no inferno para que nunca mais me possam prejudicar nem a nenhuma outra criatura no mundo.
Com a força e Deus todo-poderoso, em nome de Jesus Cristo, o Redentor, e pela intercessão da Viergem Imaculada, ordenai a todo o mal presente, a todos os espírito impuros, que me deixem imediatamente para nunca mais voltarem, que vão para o fogo eterno, esmagados pelo pé da santíssima Virgem imaculada e acorrentados pelos arcanjos São Miguel, São Gabriel, São Rafael e pelos nossos santos anjos da guarda.


Em nome de Jesus Cristo, eu repreendo, quebro e desligo a mim, meu marido, minha esposa, a meus filhos, de toda e qualquer maldição, feitiço, vexame, sedução, magia negra, azares, poderes psíquicos, fascínio, bruxaria, que tenham sido colocados sobre mim ou minha linha de família, por qualquer pessoa ou pessoas, ou por qualquer fonte de ocultismo, e ordeno a todos os espírito relacionados com satanás que nos deixem agora e não voltem nunca mais, prostrando-se aos pés da santa cruz de Jesus Cristo para sempre.
Obrigado, Senhor Jesus, por nos ter libertado.


Vinde, Espírito Santo, penetrai as profundezas da minha alma com o Vosso amor e o Vosso poder. Arrancai as raízes mais profundas e ocultas da dor e do pecado que estão enterradas em mim.
Lavai no precioso Sangue de Jesus e aniquilai definitivamente toda a ansiedade que trago em mim, toda amargura, angústia, sofrimento, interior, desgaste emocional, infelicidade, tristeza, ira, desespero, inveja, ódio e vingança, sentimento de culpa e de auto-acusação, desejo de morte e de fuga de mim mesmo, toda opressão do maligno na minha alma, no meu corpo e toda insídia que ele coloca em minha mente.
Ó bendito Espírito Santo, queimai com Vosso fogo abrasador toda treva instalada dentro de mim, que me consome e impede de ser feliz.
Destruí em mim todas as conseqüências dos meus pecados e dos pecados dos meus ancestrais, que se manifestam em minhas atitudes, decisões, temperamento, palavras e vícios.
Libertai, Senhor, toda a minha descendência da herança de pecado e rebelião às coisas de Deus que eu próprio lhe transmiti.
Vinde, Santo Espírito! Vinde, em nome de Jesus! Lavai-me no Sangue precioso de Jesus, purificai todo o meu ser, quebrai toda a dureza do meu  coração, destruí todas as barreiras de ressentimento, mágoa, rancor, egoísmo, maldade, orgulho, soberba, intolerância, preconceitos e incredulidade que existem em mim. E, no poder de Jesus Cristo ressuscitado, libertai-me, Senhor! Curai-me, Senhor! Tende piedade de mim, Senhor!
Vinde, Santo Espírito! Fazei-me ressuscitar agora para uma vida nova, plena do Vosso amor, alegria, paz e plenitude.
Creio que estais fazendo isto em mim agora e assumo pela fé a minha libertação, cura e salvação em Jesus Cristo, meu Salvador.
Glórias a Vós, meu Deus!
Bendito sejais para sempre!
Louvado sejais, ó meu Deus!
Em nome de Jesus e por Maria nossa Mãe.


 








terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Oração ao Senhor Bom Jesus


ORAÇÃO AO SENHOR BOM JESUS

Senhor Bom Jesus, meu divino amigo, amigo de todos, olhai por nós e dai-nos o pão de cada dia, ajudai aqueles que não têm trabalho e nem teto. Ajudai-nos a sermos firmes na fé e na esperança; defendei-nos dos perigos e do pecado; ajudai-nos a vencer as dificuldades que hoje vamos encontrar. Velai sobre minha família guiando-nos sempre pelo caminho que nos leva até vós. Perdoai-nos, Senhor, e abençoai os nossos desejos para o dia de amanhã. Senhor Bom Jesus, eu vos ofereço todo o meu dia, meu trabalho, minhas lutas, minhas alegrias e minhas dores. Concedei a mim e a toda minha família a vossa bênção e uma vida feliz. Bom Jesus, operário de Nazaré, abençoai a todos nós. Amém.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Dia 08 de Dezembro - Dia da Imaculada Conceição.



O dogma da Imaculada Conceição de Maria é um dos dogmas mais queridos ao coração do povo cristão. Os dogmas da Igreja são as verdades que não mudam nunca, que fortalecem a fé que carregamos dentro de nós e que não renunciamos nunca.

A convicção da pureza completa da Mãe de Deus, Maria, ou seja, esse dogma, foi definida em 1854, pelo papa Pio IX, através da bula "Ineffabilis Deus", mas antes disso a devoção popular à Imaculada Conceição de Maria já era extensa. A festa já existia no Oriente e na Itália meridional, então dominada pelos bizantinos, desde o século VII.

A festa não existia, oficialmente, no calendário da Igreja. Os estudos e discussões teológicas avançaram através dos tempos sem um consenso positivo. Quem resolveu a questão foi um frade franciscano escocês e grande doutor em teologia chamado bem-aventurado João Duns Scoto, que morreu em 1308. Na linha de pensamento de são Francisco de Assis, ele defendeu a Conceição Imaculada de Maria como início do projeto central de Deus: o nascimento do seu Filho feito homem para a redenção da humanidade.

Transcorrido mais um longo tempo, a festa acabou sendo incluída no calendário romano em 1476. Em 1570, foi confirmada e formalizada pelo papa Pio V, na publicação do novo ofício, e, finalmente, no século XVIII, o papa Clemente XI tornou-a obrigatória a toda a cristandade.

Quatro anos mais tarde, as aparições de Lourdes foram as prodigiosas confirmações dessa verdade, do dogma. De fato, Maria proclamou-se, explicitamente, com a prova de incontáveis milagres: "Eu sou a Imaculada Conceição".

Deus quis preparar ao seu Filho uma digna habitação. No seu projeto de redenção da humanidade, manteve a Mãe de Deus, cheia de graça, ainda no ventre materno. Assim, toda a obra veio da gratuidade de Deus miseriordioso. Foi Deus que concedeu a ela o mérito de participar do seu projeto. Permitiu que nascesse de pais pecadores, mas, por preservação divina, permanecesse incontaminada.

Maria, então, foi concebida sem a mancha do orgulho e do desamor, que é o pecado original. Em vista disso, a Imaculada Conceição foi a primeira a receber a plenitude da bênção de Deus, por mérito do seu Filho, e que se manifestou na morte e na Ressurreição de Cristo, para redenção da humanidade que crê e segue seus ensinamentos.

Hoje, não comemoramos a memória de um santo, mas a solenidade mais elevada, maior e mais preciosa da Igreja: a Imaculada Conceição da Santíssima Virgem Maria, a rainha de todos os santos, a Mãe de Deus.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

"Noite Escura" de Madre Teresa de Calcutá - Uma Espécie de Martírio.

«Noite escura» da Madre Teresa, uma espécie de «martírio»

Segundo explica o Pe. Raniero Cantalamessa, OFM Cap.
A «noite escura» que a Madre Teresa de Calcutá viveu, documentada por um livro recém-publicado, foi uma espécie de «martírio», devido à «presença ausente» de Deus, explica o Pe. Raniero Cantalamessa, OFM Cap.

O pregador da Casa Pontifícia comentou a publicação de cartas inéditas da beata, recolhidas no livro «Madre Teresa: venha e seja minha luz» («Mother Teresa: come be my light»), publicado pelo Pe. Brian Kolodiejchuk, postulador da causa de canonização da religiosa, dez anos após seu falecimento.
Em uma de suas cartas, a Madre Teresa diz: «Há tanta contradição em minha alma: um profundo anseio de Deus, tão profundo que causa dano; um sofrimento contínuo, e com isso o sentimento de não ser querida por Deus, rejeitada, vazia, sem fé, sem amor, sem céu… O céu não significa nada para mim: parece-me um lugar vazio!».

O pregador do Papa, através das ondas da «Rádio Vaticano», declarou que «este sofrimento lacerante, provocado pelo vazio de Deus, é o sinal de que se trata de um fenômeno positivo».
«Trata-se de uma presença-ausência – acrescenta o sacerdote capuchinho: Deus está presente, mas não é experimentado.»

«Que a Madre Teresa pudesse passar horas ante o Santíssimo [na Eucaristia, ndr.], como dizem as testemunhas que a viram, quase extasiada… e que o fizesse nestas condições demonstra que é um martírio», sublinha.

«É um verdadeiro martírio, porque para quem não experimenta Deus e sente esse vazio, estar durante horas quieta ante o Santíssimo significa verdadeiramente estar entre chamas», acrescenta.

«É estranho que alguém se escandalize por estes escritos da Madre Teresa ou inclusive que pense que, quem os está publicando, tem de vencer as dúvidas de que as pessoas se escandalizem», confessa.

«Para mim, isso torna maior a figura da Madre Teresa, não a diminui», continua reconhecendo Cantalamessa. «Os ateus ‘normais’, comuns, não ficam aflitos pela ausência de Deus; mas, para a Madre Teresa, era a prova mais terrível que podia viver.»

«Creio que Madre Teresa tem verdadeiramente a estatura dos grandes da santidade cristã, precisamente por sua capacidade de esconder fenômenos, de vivê-los pessoalmente no íntimo de seu coração.»

«Talvez ela o tenha feito precisamente em expiação por esse ateísmo crescente que se dá no mundo de hoje, pois no fundo, a Madre Teresa viveu este viver como se Deus não existisse positivamente, com fé, do lado de Deus», indica.

«A noite escura, declara o Pe. Cantalamessa, é muito conhecida na tradição cristã; talvez a novidade foi a maneira em que a Madre Teresa a viveu.»

«Pois enquanto a ‘noite do espírito’, de São João da Cruz, é um período geralmente preparatório ao definitivo, que se chama ‘unitivo’, no caso de Madre Teresa parece que foi um estado estável, a partir de um certo momento de sua vida, quando começou sua grande obra de caridade, até o final.»

«Desde meu ponto de vista, este prolongamento da ‘noite’ tem também um significado para nós hoje. Creio que a Madre Teresa é a santa da era da comunicação, pois esta ‘noite do espírito’ a protegeu da possibilidade de converter-se em vítima da mídia, ou seja, de que exaltasse a si mesma.»

«De fato – conclui o frei capuchinho –, ela mesma dizia que ante as maiores honras e ante o interesse da imprensa, ela não sentia nada, porque vivia este vazio interior. Era uma espécie de escudo protetor para atravessar a era dos meios de comunicação.»

terça-feira, 15 de novembro de 2011

"Nada Temas, Porque Eu Venci o Mundo!" (Extraído da Palestra "Como o demônio penetra em nossa vida?", por Padre Rufus Pereira)



O ministério de cura e a oração de cura interior são importantes. Fico triste ao ver que, apesar de Jesus nos ter dado o segredo de uma vida neste mundo, existe tanto ódio, tanta pobreza. Não podemos culpar Jesus, porque São Pedro afirmou que Cristo ia a toda parte fazendo o bem, não ia só alimentar os pobres; a melhor coisa que o Senhor fazia era curar homens e mulheres.

Muitas vezes, as pessoas têm uma ideia errônea do Cristianismo, do mistério de Jesus Cristo. São Pedro nos diz: “Jesus foi a toda parte, a cada casa, a cada pessoa fazendo o bem”. O Senhor não fez somente um trabalho social, que é importante, mas ia a toda parte curando as pessoas que estavam sob a personificação do mal.

Devemos saber como o inimigo de Deus nos ataca. Precisamos evitar os dois extremos: de ver o demônio em tudo, culpando-o de tudo, porque também muitas coisas ruins acontecem conosco por maldade do outro; e de não acreditar nele.

É muito triste, mas os nossos problemas são muito mais com as pessoas do que com o inimigo de Deus!
Como reconhecer satanás? Em primeiro lugar, precisamos reconhecer as áreas da nossa vida que estão sob o poder de satanás. E quais são as áreas que o inimigo de Deus pode nos atacar: primeiro: a nossa vontade, porque é a parte mais importante da personalidade humana, Deus nos deu a liberdade. Porque dessa forma podemos dizer “não” ao Senhor e Ele não pode fazer nada. Somos responsáveis pelas nossas ações e podemos nos orgulhar das nossas decisões.

De que maneira o demônio influencia a nossa vontade? Com hábitos compulsivos de pecado, chamados pela psicologia de “compulsão”, nos tornamos escravos do mal e não conseguimos sair dessa situação por mais que tentemos. E aí vemos o vício às drogas, ao alcoolismo, à perversão sexual, ao abuso sexual de crianças, e isso tem se tornado uma epidemia. Há também o aborto, que é uma imitação ao ato de Herodes, que matou crianças ingênuas e inocentes.

Precisamos entregar nossas emoções ao poder do Espírito Santo.

Satanás é muito inteligente e sabe que um canal para prender o homem é pelo seu raciocínio. O maligno trabalha com os nossos jovens com as falsas religiões, com a Nova Era, deixando as mentes cativas. Só Jesus pode manter sua mente cativa.

Outra área que pode estar sob o poder do demônio são as nossas emoções. São Paulo diz: “Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira. Não deis lugar ao diabo” (Efésios 4,26-27).

As pessoas fazem coisas erradas por causa da raiva; por isso São Paulo diz que podemos ficar com raiva, mas não devemos dar oportunidade ao demônio. Com frequência o maligno vai usar sua raiva para matar. As nossas emoções podem ser canais por onde o demônio nos ataca. Precisamos entregar nossas emoções ao poder do Espírito Santo.

O demônio também pode nos atacar no nosso corpo, pois há falsas enfermidades que não vêm de bactérias ou outras coisas. É comum quem vive isso dizer: “Fui ao médico e ele diz que não pode me curar porque não tenho nada”.

Da mesma forma, o inimigo de Deus pode atacar as nossas casas, os nossos quartos. Por isso é bom ter as propriedades protegidas, razão pela qual na Igreja temos o hábito de abençoar as casas.
O inimigo também pode atacar os relacionamentos, principalmente as famílias, porque é o grande desejo de satanás destruí-las.

De onde vêm os ataques? Desde nossos primeiros pais: Adão e Eva, que foram tentadas por satanás e o efeito do pecado caiu em seus filhos, então Caim matou Abel. O demônio quer atacar nossa árvore genealógica.

A outra fonte da reação demoníaca é por intermédio das pessoas ao nosso lado. Não estou falando para ficarmos desconfiados de quem nos cerca, mas precisamos ficar atentos porque o demônio pode nos querer atacar até através de membros da nossa família.

E outra opção que o inimigo usa para nos atacar somos nós mesmos. Se você buscou ajuda em outras religiões, e as pessoas fazem essas coisas porque não encontram outra solução, geralmente estão desesperadas.

Geralmente há uma fonte que o inimigo vem que não é só árvore genealógica, não só por intermédio da pessoa, mas quando as pessoas são boas o demônio as ataca. São João Maria Vianey diz que o demônio se sente incomodado com pessoas muito boas.

O demônio vai usar todos meios para entrar na vida de nossos filhos, um exemplo é pela música. Sou testemunha de que jovens, só por escutar essas músicas, foram contaminados e outros possuídos. Outro meio é por filmes. Cuidado com o que seu filho assiste, já atendi crianças possessas por causa de filme. Outro meio de contaminação é a TV. O inimigo pode nos atacar por outros meios de comunicação, até mesmo pelo e-mail. 

E os outros meios são comidas e bebidas. Quantos casos de pessoas que estão sendo afetadas pelo que comeram e beberam. Por isso, sempre abençoe o alimento e a bebida.

E outra forma de o inimigo nos atacar é por meio de presentes que recebemos. Tenho milhares de histórias de vidas destruídas por conta dos presentes recebidos. Abençoe todos presentes que você recebeu. O demônio pode nos atacar usando coisas boas, até mesmo através do objeto religioso.

Quando vamos a santuários há pessoas que vendem rosários e outras coisas. Eu nunca diria isso se não visse o caso: mesmo que você compre medalhas e rosários nesses locais peça ao padre que os abençoe, porque também são fonte de contaminação.

Termino com a afirmação de São João de que o mundo está sob o poder do demônio. Mas Jesus disse: “Nada temas, porque eu venci o mundo”.


segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Qual a Consequência do Batismo no Espírito Santo - Por Monsenhor Jonas Abib.




Qual a consequência do Batismo no Espírito Santo? Esta é a consequência do Batismo no Espírito Santo: Deus começa a nos usar com uma eficácia única, eficácia divina!

Na verdade, o Espírito Santo já está em você. A questão não é de merecimento ou grau de santidade, como pensam alguns. Você recebeu o Espírito Santo em seu Batismo, em sua Crisma. Com a terra acontece a mesma coisa: no fundo dela há veios, lençóis de água. É preciso perfurá-la até atingi-los. Logo que isso acontece, a água sobe com toda a força.

Da mesma forma, para que aconteça o Batismo no Espírito Santo é preciso apenas "perfurar a rocha" que, infelizmente, se criou em cada um de nós. Quando a região onde está o Espírito Santo é atingida, Ele vem com toda a força. Foi o que aconteceu em Pentecostes.

Deus o abençoe!

Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

(Trecho do livro "O Espírito sopra onde quer" de monsenhor Jonas Abib)

sábado, 12 de novembro de 2011

Deus Escuta Nossa Oração - Por Padre Rufus Pereira.



 
Deus escuta a nossa oração
Meus queridos irmãos em Cristo. Olhamos para o evangelho como a Boa Nova e de fato S. Marcos nos fala dessa boa nova no Evangelho de hoje.
Para nós Jesus é a Boa Nova e São Marcos nos diz como isso acontece, mas essa Boa Nova pode também se tornar uma má notícia para aqueles que não creem que Jesus é o Senhor, pois pede compromisso e fé.
Jesus trabalhou publicamente por três anos, mas todos os dias foram dias intensos, de forma que os evangelistas tiveram dificuldade de relatar todos os fatos e feitos do Mestre, pois Jesus fez muito por onde andou. Relatos que nem mesmo todos os livros do mundo conseguiriam conter tudo o que Ele fez. O evangelho é o resumo da Boa Nova.
Nós lemos a Bíblia com apenas um objetivo, para crer naquilo que Jesus falou e fez.
A vida é o desejo de todo ser humano, não somente neste mundo, mas também na vida eterna. Tudo o que Jesus fez, fez para que tenhamos vida.
Foi Ele mesmo quem disse: 'Somente Eu vim para que tenhais vida e vida para sempre'. Ele é o senhor da vida.
João nos dá a chave para termos vida, para que possamos nos libertar do inimigo da vida que é a morte. Temos o dom precioso da vida apenas pelo fato de crermos, pelo dom da fé. A palavra de Deus nos conduz a fé. Só temos vida quando confiamos e acreditamos em Deus.
Podemos chamar a todos de 'cristãos' mas esse título não salva ninguém, o que faz a diferença é se nós cremos ou não cremos,foi por isso que o Evangelho foi escrito.
Deus ouve as nossas orações, Ele sempre nos ouve, eu nunca vi uma oração que não foi respondida.
Quero lhes falar de um homem que fui visitar em Bombaim, ele era alcoólatra, sua casa era suja, era um homem que não tinha vida. Rezei por Ele, pedi a Jesus a cura, e ela aconteceu.
Hoje este homem tem uma vida nova e faz o bem a outros. Com o coração agradecido a Deus ele me disse assim: “Eu agradeço a Deus por me deixar cair até as valetas de Bombaim.” Com frequência ele se encontrava jogado nas ruas, mas ele agradeceu a Deus Pai, e dizia assim: “Se eu não tivesse chegado a esse ponto eu nunca teria o conhecimento do quanto Deus Pai me ama.”
Depois Ele falava ainda: “Somente a uma pessoa eu quero agradecer, ao Meu Senhor Jesus Cristo, o Senhor das misericórdias, que me deu a última chance para que voltasse a Ele”.
A partir de então começou um grande centro de recuperação de alcoólatras, dedicado a Nossa Senhora. Ano passado o presidente da Índia deu um prêmio especial a esse grupo e a este trabalho porque era preciso levar o bem e a graça de Deus a todos os alcoólatras que assim como ele se encontram ainda num estado de desamor.

Encerro afirmando que nada é impossível para Deus e tudo é possível para aquele que crê

domingo, 6 de novembro de 2011

A Carta de Amor do Pai.





A Carta de amor do Pai

Meu filho…
Você pode não me conhecer, mas Eu sei tudo sobre você. Salmo 139:1
Eu sei quando você se senta e quando se levanta. Salmo 139:2
Eu conheço bem todos os seus caminhos. Salmo 139:3
E até os cabelos da sua cabeça são todos contados. Mateus 10:29-31
Pois você foi feito a minha imagem. Gênesis 1:27
Em mim você vive, se move e tem existido. Atos 17:28
Pois você é a minha descendência. Atos 17:28
Eu te conheci mesmo antes que você existisse. Jeremias 1:4-5
E escolhi você quando planejava a criação. Efésios 1:11-12
Você não foi um erro, pois todos os seus dias estão escritos no meu livro. Salmo 139:15-16
Eu determinei o momento exato do seu nascimento e onde você viveria. Atos 17:26
Você foi feito de forma admirável e maravilhosa. Salmo 139:14
Eu formei você no ventre da sua mãe. Salmo 139:13
E tirei você do ventre de sua mãe no dia do seu nascimento. Salmo 71:6
Eu tenho sido mal representado por aqueles que não me conhecem. João 8:41-44
Eu não estou distante e zangado, pois sou a expressão completa do amor. 1 João 4:16
E o meu desejo é derramar meu amor sobre você. 1 João 3:1
Simplesmente porque você é meu filho e Eu sou seu Pai. 1 João 3:1
Eu ofereço a você mais do que o seu pai terrestre jamais poderia oferecer. Mateus 7:11
Porque sou o Pai perfeito. Mateus 5:48
Cada bom presente que você recebe vem da minha mão. Tiago 1:17
Pois Eu sou o seu provedor e supro todas as suas necessidades. Mateus 6:31-33
Meu plano para o seu futuro tem sido sempre cheio de esperança. Jeremias 29:11
Porque Eu te amo com um amor eterno. Jeremias 31:3
Meus pensamentos sobre você são incontáves como a areia na praia. Salmo 139:17-18
E Eu me regozijo sobre você com cânticos. Sofonias 3:17
Eu nunca vou parar de fazer o bem para você. Jeremias 32:40
Porque você é meu tesouro mais precioso. Êxodo 19:5
Eu desejo te estabelecer com todo meu coração e toda minha alma. Jeremias 32:41
E quero te mostrar coisas grandes e maravilhosas. Jeremias 33:3
Se você me buscar de todo o coração, você me encontrará. Deuteronômios 4:29
Se deleite em mim e Eu darei a você os desejos do seu coração. Salmo 37:4
Pois fui Eu quem colocou esses desejos em você. Filipenses 2:13
Eu sou capaz de fazer mais por você do que podes imaginar. Efésios 3:20
Pois Eu sou o seu maior encorajador. 2 Tessalonissenses 2:16-17
Eu sou também o Pai que conforta você em todas as suas dificuldades. 2 Coríntios 1:3-4
Quando seu coração está quebrantado, Eu estou perto de você. Salmo 34:18
Como um pastor carrega um cordeiro, Eu carrego você perto do meu coração. Isaías 40:11
Um dia Eu enxugarei todas as lágrimas dos seus olhos. Apocalipse 21:3-4
E afastarei de você toda a dor que tenha sofrido nesta terra. Apocalipse 21:3-4
Eu sou o seu Pai, e Eu amo você assim como amo ao meu filho, Jesus. João 17:23
Pois em Jesus, meu amor por você é revelado. João 17:26
Ele é a representação exata do que sou. Hebreus 1:3
Ele veio para demonstrar que eu estou contigo, e não contra ti. Romanos 8:31
E também para dizer a você que Eu não estou contando os seus pecados. 2 Coríntios 5:18-19
Jesus morreu para que você e eu pudéssemos ser reconciliados. 2 Coríntios 5:18-19
Sua morte foi a expressão suprema de meu amor por você. 1 João 4:10
Eu desisti de tudo que amava para que pudesse ganhar o seu amor. Romanos 8:31-32
Se você receber o presente do meu filho Jesus, você recebe a mim. 1 João 2:23
E nada poderá separar você do meu amor outra vez. Romanos 8:38-39
Venha para casa e Eu vou fazer a maior festa que o céu já viu. Lucas 15:7
Eu sempre fui um Pai, e sempre serei Pai. Efésios 3:14-15
A minha pergunta é...Você quer ser meu filho? João 1:12-13
Eu estou esperando por você. Lucas 15:11-32 …

Com amor,

seu Pai Onipotente Deus

In http://www.facebook.com/media/set/?set=a.164855406907415.40678.157874747605481&type=3


quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Glorificar a Deus com os nossos pensamentos


Glorificar a Deus com os nossos pensamentos

“Não são carnais as armas com que lutamos. São poderosas em Deus, capazes de arrasar fortificações. Nós aniquilamos todo raciocínio e todo orgulho que se levanta contra o conhecimento de Deus, e cativamos todo pensamento e o reduzimos à obediência à Cristo” (2Cor 10, 4-5).
Muitas vezes falamos de glorificar a Deus com nossas atitudes, dando testemunho de nossa adesão à Cristo através de atos de amor, perdão e misericórdia, e de glorificá-lo com as palavras de nossos lábios, através de palavras de louvor e não de murmuração. Mas temos glorificado a Deus em nossos pensamentos?
Gostaria de atualizar para nós uma profecia em tom de exortação que nos foi dada no ano de 2007: 

“Vigia os teus pensamentos, mantém-os dobrados ao meu Senhorio, humildemente submete-os a mim, e não permitas que entre neles a divisão, a desconfiança, o julgamento, a intriga, a suspeita. Toda essa divisão não vem de mim. Os meus pensamentos são de paz, tudo aquilo que te roubar a paz, submete-o a mim e Eu agirei nessa situação específica sobre a qual pensastes. Paz, paz dentro de ti e ao teu redor. Não julgues, não critiques, não te arvores em juiz. Eu sou o Senhor”.
A confirmação nos veio através da Palavra: “Além disso, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é nobre, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, tudo o que é virtuoso e louvável, eis o que deve ocupar vossos pensamentos” (Fl 4,8-9).
Fica, portanto, a exortação do Senhor para nós, a de vigiar sobre nossos pensamentos, não julgando, não abrigando pensamentos de medo e de derrota, não tendo uma visão ruim das coisas e das pessoas, mas pedindo ao Espírito Santo para vir iluminar nossos pensamentos com o seu amor, com a sua luz, e pedindo a Jesus para lavar nossos pensamentos no seu sangue redentor para que nenhuma sugestão do maligno possa se insinuar dentro de nós. Assim, poderemos glorificar a Deus com nossos pensamentos.
Fica também como moção para nós fazermos o jejum do pensamento que não glorifica a Deus, a abstinência do pensamento mau e do julgamento, a moção de vigiarmos atentamente sobre nossos pensamentos. Não precisamos nos preocupar em julgar aos outros, pois Jesus Cristo, o Justo Juiz, porá tudo às claras. A nossa preocupação deve ser sempre a de agradar a Deus e de fazer sua vontade, a de não fazermos as coisas que criticamos no comportamento dos outros. Se estivermos ocupados lutando por nossa santidade, não teremos tempo nem disposição para nos ocupar com pensamentos ruins.
“Por isso, não julgueis antes do tempo; esperai que venha o Senhor. Ele porá às claras o que se acha escondido nas trevas. Ele manifestará as intenções dos corações. Então cada um receberá de Deus o louvor que merece” (1Cor 4, 5).
Ainda outro direcionamento que podemos tirar é o de fazermos de 2Cor 10, 4-5 a nossa oração diária para fortalecer-nos na abstinência do pensamento que não glorifica a Deus. Lembremos: as armas com que lutamos não são carnais, são espirituais, por nisso precisamos do auxílio de Deus. Tudo na nossa vida depende da graça de Deus. Que sua graça ilumine nossos pensamentos!
Maria Beatriz Spier Vargas
Secretária geral do Conselho Nacional da RCCBRASIL

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Tempo de Despertar




Se ao menos pudesse despertar as almas que dormem nesse sono de pedra.
Se ao menos pudesse acordá-las!!!!!!
Por certo seriam gratas um dia, quem sabe!?
Mas quem poderia retirá-las deste sono letárgico?
Quem poderia interromper o repouso inoportuno destes que hibernam enquanto o combate se acirra mais e mais??

Só o Espírito poderia despertá-las!
e acometê-las de uma sede angustiante,
que só a Água Viva consegue satisfazer.

Se ao menos pudesse acordá-las!
ainda que irrompesse e as assustasse,
Por certo perceberiam,
que o mundo todo está passando,
e precisamos plantar a semente da vida,
antes que a morte chegue,
pois aí não haverá mais tempo, nenhum sequer.

Quem dera as sacudisse, essas almas todas,
como o vendaval que açoita as árvores,
deixando o fruto maduro cair.
Mas elas dormem, ainda mais, como estátuas,
inanimadas.
Não vigiam, não velam,
nada lamentam agora,
tudo que chorarão depois.

Quem poderia despertar estas almas?
Senão Aquele que renova a face da Terra.

(Marcos Suzin, 1-11-2011, 23:12)

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

"Venha a nós o Vosso Reino, ó Jesus, venha o Reino de Maria"



"...O Espírito Santo, encontrando a sua amada Esposa [Maria Santíssima] reproduzida nas almas, descerá abundantemente sobre elas, plenificando-as de Seus dons, particularmente o dom da Sabedoria, para nelas operar as maravilhas da graça. Meu querido irmão, quando virá este tempo feliz, esse século de Maria, em que muitas almas escolhidas e obtidas do Altíssimo por Maria, perdendo-se a si mesmas no abismo do interior d'Ela, se tornarão cópias vivas de Maria, para amar e glorificar a Jesus Cristo? Esse tempo só virá quando a Devoção que ensino for conhecida e praticada: 'Para que venho o Vosso Reino, ó Jesus, venha o Reino de Maria!" (São Luís Maria Grignion de Montfort, in Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem Maria, parágrafo 217)



"Santa Maria, rainha dos céus, mãe de nosso Senhor Jesus Cristo, senhora do mundo, que a nenhum pecador desamparais e nem desprezais, ponde, senhora, em mim os olhos de vossa piedade e alcançai de vosso amado filho o perdão de todos os meus pecados, para que eu, que agora venero com devoção vossa Imaculada Conceição, mereça na outra vida alcançar o prêmio da bem-aventurança, pelo merecimento de vosso bendito Filho Jesus Cristo, nosso Senhor, que com o Pai e o Espírito Santo vive e reina para sempre. Amém."

sábado, 29 de outubro de 2011

Não desanime! Tenha força e !!! CORAGEM!!!! A seu tempo vem a consolação.




Todas as vezes que pensei em desistir, que me senti sozinho e fraco, quase naufragando no desânimo, Deus reagiu de alguma forma, e me reaminou. Isso sempre acontece, e se justifica pelo fato de que o desânimo é mal dos males, o câncer alma. 



Talvez seja justamente por isso que a Bíblia traz 366 vezes a expressão "Coragem!" (ou "tenhais ânimo", ou, ainda, "não temais", conforme a tradução". Prestou bem a atenção??? 366 vezes, uma para cada dia do ano, e uma de reserva para o caso de o ano ser bissexto. Isso é uma evidência indiscutível que precisamos estar vacinados contra do desânimo, pois o desânimo leva a outros sentimentos ainda mais desastrosos.

Quem desanima, logo se torna invejoso, pois vê o sucesso dos outros e fica se comparando e culpando os outros. Após tornar-se invejoso, torna-se mal intencionado, falando dos outros pelas costas. Não demora muito, começa a odiar e desprezar as pessoas, isolando-se no seu mundinho de vítima do "mundo cruel".

O desânimo é algo terrível, é força motriz e geradora de todos os males e fracassos.

Por isso, não caia nesse sentimento. Sacode a poeira e dá a volta por cima.

Caso não se sinta forte o suficiente, peça a Deus, Ele o dará, pois sabe muito bem os estragos que o desânimo faz.

Sugiro aos meus amigos a leitura do meu texto "Tristeza, Decepção e Desânimo, Sentimentos a serem evitados", conforme link abaixo. (podem copiar e colar na barra de endereços.


http://grupo-aguaviva.blogspot.com/2010/01/tristeza-decepcao-e-desanimo.html

Clique abaixo para ouvir a pregação "Não Desista!", do Padre Léo.....

http://www.4shared.com/file/103248300/8dcc3fb3/Padre_Leo_scj_Nao_desista_25092004.html




segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Maria Passa na Frente.


Maria passa na frente...

Maria passa na frente e vai abrindo estradas e caminhos. Abrindo portas e portões. Abrindo casas e corações.

A Mãe indo na frente , os filhos estão protegidos e seguem seus passos. Maria, passa na frente e resolve tudo aquilo que somos incapazes de resolver.

Mãe, cuida de tudo o que não está ao nosso alcance.Tu tens poder para isso!

Mãe,vai acalmando, serenando e tranqüilizando os corações. Termina com o ódio, os rancores, as mágoas e as maldições. Tira teus filhos das perdições!

Maria, tu és Mãe e também a porteira. Vai abrindo o coração das pessoas e as portas pelo caminho.

Maria, eu te peço: PASSA NA FRENTE!!! Vai conduzindo, ajudando e curando os filhos que necessitam de ti.

Ninguém foi decepcionado por ti depois de ter te invocado e pedido a tua proteção.

Só tu, com o poder de teu Filho, podes resolver as coisas difíceis e impossíveis. Amém!

Agora reze um pai nosso e três aves Maria...


quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Oração ao Pai em Honra de Nossa Senhora Aparecida.


Onipotente e eterno Deus, que concedestes ao povo brasileiro a graça de tão sublime devoção, dando-nos Nossa Senhora Aparecida como Padroeira; dai ao Brasil muita paz em seus dias. Iluminai nossos governantes, nossos bispos e sacerdotes, para que evangelizem sempre com renovado amor missionário. Concedei-nos a graça de jamais nos afastarmos da verdadeira religião. Tudo isso vos pedimos por Cristo, Senhor nosso, amém. Mãe, Rainha e Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, rogai por nós.

Oração a Nossa Senhora Aparecida I


Ó Virgem Maria, abençoada sois vós,
pelo Senhor Deus Altíssimo,
entre todas as mulheres da Terra.
Vós sois a glória de Jerusalém.
Vós a alegria de Israel.
Vós a honra do nosso povo.
Salve, ó Virgem, honra de nossa terra,
a quem rendemos um culto de piedade e veneração,
a quem chamamos com o belo nome de Aparecida.
Quem poderia contar, ó doce Mãe,
quantas graças, durante tantos anos,
vós dispensastes ao povo brasileiro,
compadecida dos nossos males?
Quisemos cingir vossa cabeça sagrada
com uma coroa de ouro,
que vos é devida por tantos títulos;
continuai a dobrar-vos benignamente às nossas preces.
Quando erguemos aos céus nossas mãos suplicantes,
ouvi, clemente, os nossos rogos, ó Virgem;
conservai nossas almas afastadas da culpa e,
por fim, conduzi-nos ao céu.
Salvação, honra e poder Àquele que, uno e trino,
nos fulgores do seu trono celeste,
governa e rege todo o universo.
Nossa Senhora da Conceição Aparecida,
rogai por nós.

Oração a Nossa Senhora Aparecida II


Querida Mãe Nossa Senhora Aparecida,
Vós que nos amais e nos guiais todos os dias,
Vós que sois a mais bela das mães
a quem eu amo de todo meu coração,
eu vos peço mais uma vez
que me ajudeis a alcançar uma graça;
e por mais difícil que seja,
sei que me ajudará
e acompanhará sempre
até à hora da minha morte.
Amém.

Oração a Nossa Senhora Aparecida III.


Ó incomparável Senhora da Conceição Aparecida,
Mãe de Deus, Rainha dos Anjos,
Advogada dos pecadores,
refúgio e consolação dos aflitos e atribulados,
Virgem Santíssima,
cheia de poder e de bondade,
lançai sobre nós um olhar favorável,
para que sejamos socorridos por vós,
em todas as necessidades em que nos acharmos.
Lembrai-vos, ó clementíssima Mãe Aparecida,
que nunca se ouviu dizer
que algum daqueles que têm a vós recorrido,
invocado vosso santíssimo nome,
e implorado a vossa singular proteção,
fosse por vós abandonado.
Animados com esta confiança,
a vós recorremos.
Tomamo-vos para sempre por nossa Mãe,
nossa protetora, consolação e guia,
esperança e luz na hora da morte.
Livrai-nos de tudo o que possa ofender-vos
e ao vosso Santíssimo Filho, Jesus.
Preservai-nos de todos os perigos
da alma e do corpo;
dirigi-nos em todos os assuntos espirituais e temporais.
Livrai-nos da tentação do demônio,
para que, trilhando o caminho da virtude,
possamos um dia ver-vos e amar-vos
na eterna glória, por todos os séculos dos séculos. Amém.