sexta-feira, 24 de julho de 2009

Grupo Água Viva anima Missões Capuchinhas.

Grupo Água Viva com o Frei Francisco Pasinatto
Na noite de 23 de julho de 2009, apesar do intenso frio em Vacaria/RS, o Grupo Água viva esteve participando da animação da segunda noite do tríduo preparatório às Missões dos Freis Capuchinhos do Rio Grande do Sul.
Um grande abraço a todos.
Marcos Suzin.
Coordenador do Grupo Água Viva.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Um Testemunho Extraordinário.

Padre Roger da Canção Nova


Eu nunca me canso dar o testemunho abaixo a quem me procura, para demonstrar que Deus é presente em nossa vida, que Ele responde às nossas orações e que Ele nos conduz sempre pelo caminho mais apropriado. Lembre-se que "tudo conspira para o bem daqueles que temem a Deus".

Entretanto, eu nunca havia me lembrado de colocar este testemunho no blog Água Viva. Eis o testemunho.

Preste a devida atenção, pois é muito importante.

Não lembro ao certo, porém possivelmente no final do ano de 2002, início de 2003, vieram até a cidade de Vacaria o Padre Roger e o músico Laércio Oliveira, ambos da Canção Nova. Foi um corre-corre durante todo o dia (se eu não me engano, um sábado) para preparar o Santuário Nossa Senhora da Oliveira para a celebração da missa. Eu lembro que o meu carro parecia uma Kombi de feira, tamanha a quantidade de coisas (cadeiras, pedestais, etc...) que eu carregava. Trabalhei (junto com outros amigos dos grupos de oração) o dia todo, nem sei quantos quilômetros rodei. Era um grande esforço, mas valia à pena, era para o Senhor, para a realização de uma grande missa.

Chegada a hora da celebração, o saudoso bispo Dom Pedro Sbalchiero Netto me chamou e disse: "Marcos, você cuida do turíbulo?" (aquele porta-brasas em que se queima o incenso durante a adoração, e que deve ser agitado em pêndulo para que as brasas não se apaguem). Lógico que respondi que sim. Peguei o turíbulo, meio sem jeito e me atrapalhando com as correntes, e comecei a movê-lo em pêndulo, porém bem curto, pois o Santuário estava lotado e havia risco de bater nas pessoas. Dom Pedro olhou e não gostou, veio até mim e disse: "- Assim não!, Você tem que fazer com força, senão as brasas apagam e aí fica feio, pois o incenso não vai queimar". Eu bem que tentei, mas, como o Santuário estava lotado, tive de sair para fora, para não nocautear ninguém lá dentro.

A missa começou, e eu do lado de fora, com o turíbulo para lá e para cá, feito relógio de parede. Comecei a ficar com raiva e logo estava furioso. "Eu trabalhei o dia inteiro, puxei cadeiras, fiz de tudo e agora, na hora da missa, eu fico pra fora???". Alternei emoções, da raiva fui à tristeza, da tristeza à decepção. De tempos em tempos, a Miriam, nossa ex-coordenadora do Grupo Água Viva, me chamava para que eu levasse o turíbulo para dentro do Santuário e o altar fosse incensado. Depois eu voltava para fora.

A partir dai comecei a aceitar, afinal, alguém precisava fazer aquilo em favor dos que estavam lá dentro. Então aceitei e comecei a recuperar o bom humor. Algumas crianças passavam por ali demonstravam curiosidade pelo turíbulo. Algumas até queriam fazer o pêndulo, queriam brincar com ele. Nesse momento, vi Dom Pedro passando com o ostensório e o Santíssimo Sacramento bem perto das pessoas (e eu lá fora). Como eu queria estar lá dentro! Como eu queria estar pertinho quando Jesus passasse!

Mas, como eu disse, eu havia aceitado e vi tudo com paciência e alegria. Talvez os outros precisassem mais dEle do que eu naquele momento.

Na hora da comunhão eu continuava lá fora. Acabei não recebendo.

No final da missa, quando todos já haviam saído, entrei no Santuário para devolver o Turíbulo. Dom Pedro me agradeceu e saiu. Mas o que mais importa vem agora, PRESTE A ATENÇÃO.

O Padre Roger olhou e me viu ali no meio do Santuário e disse: "- o Marcos não comungou!". Aproximei-me dele e disse: "- Não, Padre, nem precisa, eu fiquei lá fora, quase nem participei da missa". Foi então que vi o ostensório com o Santíssimo Sacramento em cima da mesa da sacristia. O Padre Roger, então, abriu a portinha do ostensório, tirou o Santíssimo, quebrou no meio, guardou uma metade no cálice e me entregou a outra, quando então recebi a comunhão.

Isso tudo para mim tem um significado extraordinário, tanto que nunca mais esqueci daquele dia, nem do Padre Roger da Canção Nova. Naquele dia Jesus me disse, através do ocorrido: "Marcos, aceite tudo o que te acontecer, Eu mesmo serei tua recompensa". Compreendi, então, alguns problemas pessoais pelo quais estava passando.

Eu queria só estar pertinho quando Jesus passasse, mas recebi uma graça extraordinária, de levá-Lo comigo no meu coração. Eu queria um pouquinho, recebi muito mais.

Obrigado Padre Roger.

Obrigado Senhor Jesus.


 

"Não se sinta 'dono' do Grupo de Oração"

Monsenhor Jonas Abib, fundador da Obra Canção Nova.

Prezados amigos, hoje encontrei esta verdadeira preciosidade no site da Canção Nova. Eis a razão porque muitos grupos de oração acabam se fragmentando e outros, inclusive, fechando. É porque não temos humildade suficiente e, por vezes, nos achamos "donos" do grupo ou disputamos espaço dentre dele.


Isso serve de lição para nos. Aprendamos, pois:


"O mundo é tão árido e a guerra espiritual que enfrentamos diariamente é tão dura, que se não tivermos, ao menos uma vez por semana, a graça de poder mergulhar no Espírito Santo com os irmãos, orando com eles livremente na linguagem dos anjos, louvando e cantando juntos, fatalmente vamos viver como quem vive no deserto.Nossos grupos de oração precisam ser quentes, não barulhentos. Precisam ser cheios da presença de Deus, do Espírito Santo, plenos de oração. Precisam ser lugares onde realmente ajudemos uns aos outros e nos animemos com o canto, com a música, com o louvor, com a oração espontânea, com gestos. Alguém conduzindo e ajudando, cheio de louvor, cheio de alegria, cheio da Palavra de Deus, de maneira que possamos ter, a cada semana, um grupo sobre o qual o Espírito Santo se derrame! O grupo de oração precisa ser leve, espontâneo. Há pessoas que o conduzem, porque é preciso condução; mas essas pessoas devem ser dóceis, não autosuficientes nem orgulhosas. Nunca se deve dizer: “A oração de cura sou eu quem vai fazer”; ou então: “Quem vai conduzir a intercessão sou eu”. Não, não deve ser assim! Vamos supor que, em determinado dia, uma pessoa esteja encarregada de conduzir a oração de cura, mas o Senhor começa a trazer curas antes, por intermédio de outra pessoa no grupo. Se você não precisar proclamar nesse dia cura nenhuma, nem dirigir a oração, dê glória a Deus! É preciso acabar com os vícios de posse e de posição, com pensamentos deste tipo: “Esse lugar no grupo de oração é meu!” ou “Sou eu que vou fazer e mais ninguém”. O (a) coordenador (a) não é o dono do grupo! Ele (ela) é a pessoa que está vendo a ação do Espírito Santo, pois quem sopra no grupo é o Paráclito. Por isso, deixe que Ele conduza, sopre e faça a limpeza e tudo o que for necessário inspiradamente.De modo que quem coordena um grupo de oração deve ser alguém de discernimento e dócil à condução do Espírito Santo. Não deve ser alguém que queira ter “rédeas curtas” segurando tudo nas mãos. O Divino Amigo anda depressa; se você segurá-las [rédeas], irá deter a ação d'Ele. Pois é fundamental que nossos grupos de oração sejam locais de derramamento do Espírito Santo Paráclito, porque precisamos de mais força do Alto, pois a vida nos deixa secos e duros; o próprio cotidiano nos desgasta.Clamemos o dia todo: Vem, Espírito Santo! Vem, Espírito Santo! Seu irmão,Monsenhor Jonas Abib."

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Nunca se Aproxime de Deus com o Coração Fingido!


Nunca se aproximar de Deus com o Coração Fingido

Em diversas passagens do Evangelho, Jesus censura a hipocrisia de várias pessoas, principalmente do fariseus. De fato, a Deus ninguém pode enganar, e o ato de aproximar-se dEle com o coração fingido é extremamente grave, merecendo uma dura resposta do Senhor.

Veja abaixo uma interessantíssima interpretação do Pai Nosso, que nos exorta a termos um comportamento sincero e adequado, não só diante de Deus, mas diante de todos.

"Se em minha vida não ajo como filho de Deus, fechando meu coração ao amor, será inútil dizer: PAI NOSSO. Se os meus valores são representados pelos bens da terra, será inútil dizer: QUE ESTAIS NO CÉU. Se penso apenas um ser cristão por medo, superstição ou comodismo, será inútil dizer: SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME. Se acho tão sedutora a vida aqui, cheia de supérfluos e futilidades, será inútil dizer: VENHA A NÓS O VOSSO REINO. Se no fundo o que eu quero mesmo é que todos os meus desejos se realizem será inútil dizer: SEJA FEITA A VOSSA VONTADE. Se prefiro acumular riqueza, desprezando meus irmãos que passam fome, será inútil dizer: O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DAI HOJE. Se não me importo em ferir, injustiçar, oprimir e magoar aos que atravessam o meu caminho será inútil dizer: PERDOAI AS NOSSAS OFENSAS, ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS A QUEM NOS TEM OFENDIDO. Se escolho sempre o caminho mais fácil, que nem sempre é o caminho de CRISTO, será inútil dizer: E NÃO NOS DEIXEIS CAIR EM TENTAÇÃO. Se por minha vontade procuro os prazeres materiais e tudo o que seduz, será difícil dizer: LIVRAI-NOS DO MAL. Se, sabendo que sou assim, continuo me omitindo e nada faço para modificar, será inútil dizer: AMÉM."

Estas são palavras duras, mas necessárias à construção do caráter de cada um de nós.
Um grande abraço a todos e A PAZ DE JESUS e o AMOR DE MARIA!!!!!!!